domingo, 21 de dezembro de 2014

Prenda de Natal (ou de Solstício):
três poemas de Robert Lax e uma aria de Bach


Robert Lax (1915 – 2000), poeta americano dos anos 60 - 70, a época áurea do século XX, foi contemporâneo de Bob Dylan e Kerouac, que lhe chamava "o Buda que ri". Foi sempre um outsider, nunca se integrou no meio culto americano ou europeu, que acusava de falsidade; isolando-se no misticismo religioso, exilou-se nos últimos 35 anos de vida como eremita na simbólica ilha de Patmos, Grécia.


Lax aderiu à corrente minimalista; na sua poesia recorre a repetições para obter um efeito cumulativo, conduzindo a um final de serena eternidade; ou pelo contrário criando por contraste um final surpreendente.
Uma estétiva comparável à da música de Arvo Pärt ou Philip Glass.


    i draw
    straight
    lines,
    said
    the young
    man,
    and think
    they are
    perfectly
    beautiful;
    but what
    can I
    draw now?

    straight
    lines,
    i said
    straight
    lines,
    straight
    lines
    until
    they
    disappear


Robert Lax, New Poems, 1962


                                            the first goodbye
                                            the second goodbye
                                            the third goodbye
                                            the fourth goodbye
                                            the fifth goodbye
                                            the sixth goodbye
                                            the seventh goodbye
                                            the eighth goodbye
                                            the ninth goodbye
                                            the tenth goodbye
                                            the eleventh goodbye
                                            the twelfth goodbye
                                            the hundred & twenty-first goodbye
                                            the hundred & forty-forth goodbye
                                            the hundred & eighty-ninth goodbye
                                            goodbye
                                            goodbye
                                            goodbye

                               
                                     Robert Lax, Poems (1962-1997)



                                                                                          Love &
                                                                                          death

                                                                                          are blood
                                                                                          & bone

                                                                                          love &
                                                                                          death

                                                                                          are bread
                                                                                          & stone

                                                                                          love &
                                                                                          death
                                                                                          are rose
                                                                                          & thorn

                                                                                          (love &
                                                                                          death

                                                                                          are sheep
                                                                                          & shorn)


                                                                               Robert Lax,
                                                                               Poems (1962-1997)


Não fica aqui mal uma aria de J.S. Bach, em guitarra clássica, tocada com muito particular sensibilidade:



Bom Natal !






sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Shackleton's Cross, foi há 100 anos


Howard Goodall compôs esta miniatura inspirado na Shackleton's Cross, a cruz da sepultura do explorador em Grytviken, ilha Geórgia do Sul. Está situada num promontório sobre o porto da antiga estação baleeira, de onde Ernest Shackleton partiu faz 100 anos para a trágica expedição ao Pólo Sul, em Dezembro de 1914, e onde voltou 17 meses depois em muito mau estado, a buscar socorro para a tripulação que deixou à espera na gélida e inóspita ilha do Elefante.


Gosto da antiquada simplicidade da música, gosto da heróica tragédia, gosto da sensação de eternidade e solidão que a cruz simboliza.



terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Entrevista de Christophe Coin


No blog de Bruno Serrou, Classique d'aujourd'hui, uma excelente e extensa entrevista do violoncelista barroco e gambista Christophe Coin, aluno de Harnoncourt e Savall.


Além desses dois músicos, Coin também se refere a Rostropovich, Hogwood, Kuijken, o 'seu' Quatuor Mosaïque...
http://brunoserrou.blogspot.pt/2014/12/entretien-avec-christophe-coin_15.html

Para quem possa não conhecer, aqui fica um exemplo do som luxuoso, aveludado, que Coin tira do violoncelo com verdadeiro virtuosismo.

C.P.E. Bach: Concerto para violoncelo Wq172
1º andamento

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Uma volta pelo Ártico na quadra de Natal


Por esta altura, vive-se a 'longa noite' no Ártico, o Sol nem se chega a levantar nas latitudes acima dos 65º N. As iluminações natalícias são particularmente bem-vindas, para alegrar essa escuridão prolongada.

Barrow, Alasca
71º 17' N

Nome, Alasca - a cidade da corrida ao ouro.
64º 30' N

Iqaluit, Canadá (arquipélago ártico)
63º 45' N

Tasiilaq, Gronelândia (costa oriental)
65º 36' N

Longyearbyen, Svalbard Islands  - a mais ártica das cidades:
78º 13' N

Røros, Noruega
62º 34' N

Yakutsk, Sibéria - a capital do frio.
62º 02' N

Æðuvík, Ilhas Faröe
62° 04′ N

Tórshavn, Ilhas Faröe
60º 00' N

Trondheim, Noruega, uma jóia sub-ártica.
63º 25' N

Sisimiut, Gronelândia (costa ocidental) - convívio comunitário.
66º 56' N

E a celebração das luzes também acontece no céu.


Para escapar à misantropia, nem que seja por breves instantes.


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Casa da Música 2015, a minha selecção de concertos


Pobre mais uma vez, como estes tempos, a programação para 2015 da Casa da Música nos seus 10 anos.


Dedicado à Alemanha, 2015 deveria (poderia ?) ser um dos melhores anos de sempre, com alguns grandes nomes convidados. Além de Sokolov, que gosta de cá vir, Andreas Staier, que também costuma aparecer, e Christian Zacharias, a solo, teremos uma única orquestra decente - a Akademie Alte Musik Berlin - mas nenhum grande maestro. A sublime Missa Solemnis, imperdível mesmo pela orquestra residente, é talvez o ponto alto.

24 de Março
Grigory Sokolov: Sonata op.10, nº3 de Beethoven)

27 de Março
Olari Elts dirige a Missa Solemnis.

17 de Abril
Alexander Shelley dirige a 4ª de Brahms.

3 de Maio
Michel Sanderling dirige a nº 64 de Haydn e a 5ª de Mahler.

30 de Maio
Andreas Staier, um programa de Telemann e Bach com a orq. barroca CdM.

18 de Setembro
Joseph Swensen num belo programa: Wagner (Idílio de Siegfried), Haydn (nº 82 'Urso') e Brahms, a nº 1, a melhor nº 1 jamais escrita.

1 de Novembro
Akademie Alte Musik: Bach (cantatas para soprano, concertos)

21 de Novembro
Baldur Brönnimann dirige um programa de Wagner - lieder e o Liebestod com Anna Hofmann.

28 de Novembro
o pianista Christian Zacharias, num programa essencialmente dedicado a Scarlatti e Chopin.

4 de Dezembro
Leopold Hager dirige Mozart (nº 34), duas árias com a soprano Ana Quintans, e a 2ª de Beethoven.


Fora da clássica, e sem nada a ver com Alemanha, destaco a

4 de Março
Al di Meola e a sua orquestra de jazz interpretam música dos Beatles. Já esteve em Lisboa (Aula Magna).





quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Inverno à porta:
'friend remembered not'


Pois venha então frio a sério.

A colectânea de poemas 'Ice', que andei a ler este Outono, abre com um daqueles poemas sublimes que só um génio pode escrever.

'Blow, blow, thou winter wind'

Blow, blow, thou winter wind,
Thou art not so unkind
As man’s ingratitude;
Thy tooth is not so keen,
Because thou art not seen,
Although thy breath be rude.

Freeze, freeze, thou bitter sky,
That dost not bite so nigh
As benefits forgot:
Though thou the waters warp,
Thy sting is not so sharp
As friend remembered not.

 
William Shakespeare


Essa ingratidão dos homens que 'gela' os momentos mais invernais da vida passa em muitas outras obras poéticas, de Emily Dickinson ou Burns, Yeats ou Robert Frost.



Também nesse livro 'Ice' tem lugar Nancy Campbell, a escritora e poeta inglesa que mais se tem dedicado ao Ártico, às suas gentes e lugares, e às sensações únicas que experimenta nas paisagens geladas, quase só azul-e-branco sob ventanias glaciares. Num registo totalmente diverso, as sete palavras dos inuit para Inverno, uma sonoridade de cortar à faca :

'Seven Words for Winter'

ukiigatta last winter.
ukioq the winter; the whole year.
         ukiukkut in winter; during the year.
         ukiuuppaa the winter came upon her before she
         reached home, or finished building her house.
ukiorippoq she has a good winter; it is a good winter.
ukiorpoq the winter has come.
ukiortaak the new year.


Nancy Campbell

Ukiorpoq


E há até quem cante a gelada ingratidão de que se queixa Shakespeare :




domingo, 7 de dezembro de 2014

Geometrias no claustro da Sé Velha, e outras miraculosas preciosidades.



O exterior anuncia: não pode ser uma igreja igual às outras.
Uns 80 anos durou a construção, entre os séculos XII-XIII, iniciada com Afonso Henriques e terminada com Afonso II.

Lá dentro, o Milagre das Rosas, um óleo sobre tela do século XVII recentemente recuperado:


Não consegui informação sobre o quadro, mas tenho pena. Gosto muito, é bem bonito. Deve ter sido adicionado por alturas da construção da Janela Especiosa renascentista.

E no claustro, o milagre da luz:




Na transição para o gótico, milagrosas simetrias:

Grau 3

Grau 4

Grau 5 !

Grau 6

Grau 8



É um gosto para o matemático. O arquitecto destas rosáceas de pedra era um dos meus. Não gostava do 7, mas realmente é inestético.

Cá fora, vista do museu Machado de Castro, a ábside da capela-mor:


E mais geometria, através da miraculosa loggia quinhentista do Museu :


Vista assim, Coimbra parece imaculada; falta fotografar a sujidade e os muito maus pisos, o caos do estacionamento, a zona comercial pobre e por demais envelhecida.



Sobre a torre da Universidade, o milagre da Lua.



sábado, 6 de dezembro de 2014

'Hora de Natal', visto em Coimbra


No velhinho mas bonito Astória (quem dera alguém o restaurasse!) há um quadro com serigrafia de Almada e este poema:


HORA DE NATAL

(...)
                 É a hora em que as pávidas
                 madrugadas se calam
                 em que as noites e as tardes
                 são manhãs definidas

                 É a hora em que as pátrias
                 já não têm limites
                 É a hora em que as grades
                 de ser grades desistem

                 É a hora em que as almas
                 entre si comunicam
                 É a hora que falta
                 no relógio da vida.


David Mourão Ferreira



Almada Negreiros, 1981


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Roma, vista do Monte Aventino


Não pelo preço que atingiu a venda na Sotheby's, mas porque nunca lhe tinha posto a vista em cima - nem mesmo em imagem de écran. Ao que parece, totalmente diferente é ver o quadro, em estado impecável, que impressiona pelas pinceladas de Turner.



Mais informação aqui .


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Colecção Outono-Inverno :)


Diospiros e castanhas são das coisas boas da estação fria.


Mais que sabor, trazem cor e texturas.


Quanto a pêras, precisam de ficar umas horas a amadurecer ao sol, um sol baixinho que só aquece ao meio-dia.


Frutoso, este post !

Mais estatística menos estatística, as estações continuam o que eram.





segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

De Rilke, um poema para antes de adormecer


'Zum Einschlafen zu sagen' ( 'Para dizer ao adormecer' ) foi publicado no Das Buch der Bilde (1902), de Rainer Marie Rilke. Gosto particularmente da versão francesa, mas é bonito seja em que língua fôr, e mesmo cinemático, de certa forma. Bons sonhos, vezes três.




To be said when going to sleep

I’d like to sing someone to sleep,
to sit beside and be right there. 
I’d like to gently lull you, singing softly,
and accompany you asleep and waking up.
I’d like to be the only one at home
who knows: the night was cold.
And would like to listen within and without,
into you, the world, the woods.
The clocks, striking, call out each other
and we can see to the bottom of time.
And down below there's a strange man
and he is disturbing some strange dog.
After that comes silence. I have my eyes
laid wide upon you,
and they hold you gently and let go of you
when something moves in the dark.



À dire pour endormir

Je voudrais endormir quelqu'un en chantant,
m'asseoir tout près, et être là.
Je voudrais te bercer et chantonner tout bas
et t'accompagner au réveil et au sommeil venant.
Je voudrais être le seul dans la maison
à savoir que la nuit fut froide.
Et je voudrais écouter dedans et dehors,
en toi, dans le monde, dans la forêt.
Les horloges sonnent, criant les unes aux autres,
et l'on peut voir au fond du temps.
Et en bas un homme étrange passe encore
et il dérange un chien étrange.
Ensuite le silence s'installe. J'ai les yeux
grands ouverts posés sur toi ;
et ils te tiennent doucement, et ils te laissent
si quelque chose remue dans l'obscurité.




Para dizer ao adormecer

Eu queria adormecer alguém cantando docemente,
sentar-me junto de alguém e ficar ali.
Eu queria embalar-te e cantar baixinho
e acompanhar-te quando despertas e quando adormeces.
Queria ser o único na casa
a saber: a noite estava fria.
E queria escutar, dentro e fora,
de ti, do mundo, da floresta.
Os relógios batem as horas, chamam-se entre si
e vemos o fundo o tempo.
E lá em baixo ainda passa um estranho
e enraivece um cão estranho.
Depois o silêncio vem. Tenho os olhos,
bem abertos, pousados em ti;
e abraçam-te suavemente e libertam-te

quando algo se move na escuridão.

[trad. minha]


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Era uma vez uma alegre moscazita, por W. Blake


William Blake me faria sentir mosca, num poema logo anterior ao célebre 'Tiger, Tiger' de 1794. 
Há muito mais do que enxotar ou ser enxotado.


The Fly

  Little Fly,
  Thy summer's play
  My thoughtless hand
  Has brushed away.

  Am not I
  A fly like thee?
  Or art not thou
  A man like me?

  For I dance,
  And drink, and sing,
  Till some blind hand
  Shall brush my wing.

  If thought is life
  And strength and breath, 
  And the want 
  Of thought is death;

  Then am I
  A happy fly.
  If I live,
  Or if I die.




          Ó Moscazita           
          teus jogos de Verão
          varridos foram
          pela minha mão.

          Não serei eu
          Mosca igual a ti ?
          Ou tu um homem
          igual a mim ?           

          Pois eu gosto de dançar,
          de cantar, e de beber,
          até vir a cega mão
          a minha asa varrer.

          Se pensar é viver,
          e respirar, e ser forte,
          E se a falta
          do pensar é morte;

          Mosca feliz
          eu hei-de ser.
          Se fôr vivo,
          ou se morrer.


---------------------

in Songs of Experience, 1794
- ilustração original da 1ª edição -

[tradução minha]


terça-feira, 25 de novembro de 2014

' Rest, rest, seize the dying of the light '


Gosto muito do poema de Dylan Thomas  "Do not go gentle into that good night", citado no filme Interstellar como inspiração para os exploradores do cosmos não desistirem, lutarem pela vida até ao extremo. É um poema de raiva e luta contra a fatalidade, escrito por um jovem inconformado com a tragédia da morte do pai: "rage, rage against the dying of the light".

É lindíssimo, e certamente bem conhecido.

Mas eu, agora, tentando ser um "wise man", apetece-me transformar o poema no seu contrário, o que certamente o poeta detestaria, por isso humildemente lhe peço que me ignore. Porque eu não sou poeta, e muito menos revoltado, sou mais, mediocremente, assim:

        Yes, do go gentle into that good night,
        Old age should softly quiet at close of day;
        Rest, rest, and seize the dying of the light.

        Because wise men at their end know dark is right,
        and though their words had forked no lightning, aye,
        they do go gentle into that good night.

        Good men, the last wave by, crying how bright
        Their frail deeds might have danced in a green bay,
        Rest, rest, seize the dying of the light.

        Wild men who caught and sang the sun in flight,
        And learn in time they grieved it on its way,
        now do go gentle into that good night.

        Grave men, near death, who see with blinding sight
        Blind eyes could blaze like meteors, but they
        now rest, rest, seize the dying of the light.





sábado, 22 de novembro de 2014

Interstellar, de Christopher Nolan: um fracasso com dignidade


Já ia mentalizado para um filme falhado, o que me ajudou a gostar bastante da primeira hora. Uma boa narrativa, um bocado palavrosa mas em bom ritmo, algumas originalidades engraçadas - a caça ao drone indiano (!), por exemplo, que afinal depois se veio a revelar mais uma pesada e escusada inutilidade narrativa.

Foram evidentes vários absurdos da situação, como a abundância de electricidade e petróleo não jogar certo com a falta de alimento, pois uma humanidade reduzida a cultivar e comer milho não produz alta tecnologia; pior ainda, que com tanta escassez não hesitassem em destruir preciosos campos de cereal, muitos hectares esmagados para caçar o drone.

Estéril, sob tempestades de poeira, a Terra quase inabitável. Ficar, abandonar?

Mas uns deconchavos assim eu perdoaria, se a aventura cósmica compensasse, e estivesse bem conjugada com retratos humanos credíveis e belas imagens, boa música (pois, o 2001 vem sempre à memória).

Que nada. Sempre demasiado palavroso, com imensos pormenores técnicos que não interessam nada a sobrecarregar a montagem com muitos minutos sonolentos, com a narração cada vez mais coxa a perder tempo em inutilidades (para quê a visita ao primeiro planeta, se não adiantou nada para a história...), ia-se salvando uma ou outra imagem, o jogo de tempos (passado-presente), a personagem de Michael Caine  - e só, porque de resto não há ninguém a merecer destaque pela actuação, nem as situações ajudam a aprofundar traços psicológicos. O episódio no segundo planeta é catastrófico de mal feito.

Salva-se a música ? que horror, não, é uma banda-pastelão tipo Dez Mandamentos que só tem o mérito de dar valor aos momentos de silêncio.

O primeiro planeta: tudo mar, tempo perdido, mesmo.

É evidente que os meios postos à disposição de Nolan são fabulosos. Não soube tirar deles proveito - nem das naves espaciais, nem dos efeitos especiais. A viagem através do buraco negro é muito mais sensaborona que a de Kubrick (há 46 anos!), o interior da nave circular não é explorado pela câmara, o super-computador tem pernas e sentido de humor (em percentagem ajustável !) mas é um painel meccano mal acabado e feio.

A nave giratória em viagem através do buraco negro, um suave e gentil 'wormhole'. Até o 'Contacto' de Zemeckis fazia melhor.

A ambição de Nolan também é desmedida. Quis construir um grande filme, que fizesse história, com filosofia humanista para dar que pensar, descurou a montagem e ocupou duas entediantes horas a encher olhos e ouvidos com palavreado oco e imagens vulgares. Nem sequer fica na memória uma imagem marcante, como foi o bailado das naves do 2001, ou o encontro do monolito, ou o quarto branco de chão axadrezado em que se encontram gerações de eras diferentes, tantas...

As naves não são bonecos de computador, mas sim modelos reais. Valha-nos isso.

A dignidade de que falo no título está na intenção e no final. Mostrar que a Terra pode não ser o nosso planeta de futuro, que podemos ter que emigrar, que será bom pensar nisso enquanto é tempo; e depois que quem partir não voltará, e mesmo que volte é noutro espaço-tempo, encontrando já outro estádio da humanidade... e finalmente concluir com golpe de génio (até que enfim !) que a humanidade conseguiu entretanto encontrar outra solução mais próxima, menos arriscada, mais inteligente: contruir ela própria um planeta artificial, onde a verdura volta a medrar. Todo o esforço desmedido de enviar naves tripuladas à procura de mundos habitáveis, navegadores heróicos pelo espaço cósmico, valeu por si própria, pela viagem e pelas descobertas - não pelo sucesso dos objectivos iniciais.

Bom, e vale a pena ver o filme ? Maçador e mediano na cinematografia, não deixa de ser um tempo em que nos confrontamos com questões que não são do quotidiano, questões estimulantes em que nos vemos como espécie única no Universo, um colectivo a lutar pela sua existência. Isso faz bem.

Uma sequência conseguida, que pode deixar marca e teria sido um bom final para o filme: o astronauta de regresso à Terra perdido numa outra dimensão, incomunicável, apenas percebido como fantasma.

O 2001 de Kubrik, sempre presente. 


---------
Devo esclarecer que escolhi as melhores imagens que consegui, e que podem sugerir um filme plasticamente mais bonito do que realmente Interstellar é.