domingo, 28 de junho de 2020

Ao longo do Muro de Adriano, desde Carlisle até ao Forte de Arbeia


Longa passeata, para iniciar o Verão.

A História é rica em muros construídos para separar gente tida por inimiga, mas  um dia vem-se a provar que as gentes até se conseguem dar bem melhor do que diziam. Há muitos muros notáveis e históricos, alguns até são património cultural: a Muralha da China, as várias Muralhas Romanas (Limes), o muro de Berlim, o das Lamentações, o muro de Ceuta, o Kumbhalgarh da Índia e também agora o da fronteira mexicana com os Estados Unidos. É engraçado que diabolizamos os muros recentes mas admiramos romanticamente os da antiguidade; é assim com a muralha que Adriano mandou levantar contra os Caledónios da Escócia, no sítio onde resolveu dar por terminado o seu Império na Britannia. Lá foram parar sucessivas Legiões ( II Augusta, XX Valeria, IX Hispania, VI Victrix), que entre escaramuças mortíferas tinham certamente difícil sobrevivência, mas iam conseguindo aguentar a linha de Fortes. Felizmente para nós, deixaram também bonitas recordações.


O percurso da muralha é uma proposta do turismo britânico: atravessando a Ilha por esse caminho, na sua zona mais estreita, viaja-se por uma zona de muito interesse histórico, como vou mostrar.

Bowness-on-Solway , com o marco do início da muralha assinalado; nesta zona, até Carlisle, os vestígios são mínimos.


A muralha começava, a leste, no Golfo de Solway, na aldeia de Bowness-on-Solvay. Um abrigo de madeira num jardim perto da água do Solway é a marca oficial do extremo leste do muro.


Daqui são 84 milhas até Wallsend (Segedunum) em Newcastle.



Iniciado o percurso, a primeira paragem é em Carlisle. Até lá, a muralha ondula pelas cristas dos montes da Cumbria, num dos troços mais espectaculares.

A sul de Burgh-by-Sands.


Carlisle foi fundada pelos Romanos sob o nome de Luguvalium cerca de 78 DC, duas gerações antes da construçaõ da muralha em 122; foi um forte militar, base de uma força de cavalaria. Para o fim do século IV e durante o V, os Romanos foram retirando sob ameaça de invasão anglo-normanda. Foi tomada pelos Saxões, depois pelos Vikings, mais tarde pelos Escoceses. No século XI , William II (Rufus) inciou a construção do castelo por cima do forte romano, que se foi modificando até ao que se vê hoje.


Já agora, uma visita à Catedral de Carlisle, de 1133, ainda não havia Portugal.


Uma bela igreja Normanda terminada já em estilo gótico no séc. XIV. O famoso janelão oriental, muito trabalhado e com belos vitrais, é de ~1350.



Abóbada de berço pintada.


Pouco depois de Carlisle, o Priorado de Lanercost, outro importante marco histórico localizado no percurso da muralha romana.


Foi fundado pelo normando Robert de Vaux no século XII (1169?) como abadia



De Lanercost partia uma importante via romana para poente: era pavimentada em pedra, pelo que os Normandos lhe chamaram Stanegate (stone road), e continua até Corbridge. Na parede do Priorado está inserida uma pedra com refrência à Legião VI Victrix, provavelmente retirada de um dos fortes romanos ao longo da muralha.


Cripta em abóbada.

Segue-se ao longo do muro um dos sítios arqueológicos mais destacados, Vindolanda, pouco antes de Housesteads. O primeiro forte aqui construído data de 85 DC, mas Vindolanda é notável porque grande parte da construção se foi afundando em terra lamacenta, e até uns 6 m de profundidade havia em depósito um enorme e bem preservado espólio da era Romana - peles, madeiras, roupas, tabuletas de escrita.

Os documentos encontrados são correspondência e listas de compras, ordens militares, alguns desenhos; e relatos, com nomes explícitos, da actividade de porqueiros, destiladores, farmacêuticos e criados. Ficamos a saber de problemas com a meteorologia, da falta de provisão de cerveja, de festas de aniversário e jantaradas, da má condição das estradas; há um apelo de clemência,  expedições de caça, doenças e deserções; sabemos até dos Brittunculi, o jargão insultuoso com que os Romanos designavam os britânicos.

São mais de 2000 textos, mas muitos são incompreensíveis devido a erros de ortografia e pontuação, e ao uso de um calão que não figura nas melhores gramáticas latinas. Aprendemos também que apreciavam muito o azeite de Espanha, os molhos de peixe e a pimenta de Portugal.

As escavações prosseguem, desde 1960.

Anterior à construção do muro, deve ter servido como base de apoio aos legionários durante as obras. Seria ocupada permanentmente por 320 anos - tanto tempo como até hoje passou desde que Beethoven escreveu a 1ª sinfonias ou Napoleão atravessou os Alpes!

Casa de Banhos dos militares.

O Forte de Vindolanda guardava a Stanegate, a estrada de pedra.

Reconstrução de parte do forte de Vindolanda.

Altar a Jupiter Dolichenus, dedicado pelo 'praefaectus' que comandava o regimento da Gália (séc. III). Doliche é uma cidade da Anatólia, este militar deve ter anteriormente andado por lá... muito viajado.

No Museu:

Tabuleta escrita em letra de mão - um latim dificilmente legível

Centenas de fragmentos de calçado enterrados na lama.


Na estrada romana, logo a seguir a Vindolanda, há um novo forte em Housesteads (rom. Verovicium):

Armazém de grão

Aqui foi encontrada esta preciosidade: um baixo relevo de três Genii Cucullati, divindades encapuçadas romano-célticas (séc. III DC). Não se sabe o seu significado, apenas que estão associados aos celtas e à recuperação de doentes.


Nesta região muralha ondula acima e abaixo das colinas, num cenário impressionante.


Milecastle 39, mais um Forte numa zona acidentada.

Existe aqui um enquadramento paisagístico muito fotografado: no intervalo entre duas colinas, um bonito Sicómoro parece plantado por mão divina.


Sycamore Gap, Housesteads.

Há milhares de fotos na net, basta googlar.

Prosseguindo para nascente, a muralha segue ao lado da estrada B6318 , com sucessivos torreões, e chega-se ao Forte de Chesters (rom. Cilurnum), o mais visitado e um dos mais bem preservados da muralha de Adriano. Construído pela Legião XX em 123 DC, já depois de terminado o muro, era um vasto complexo, quase uma vila, com água corrente, banho quente e frio, e destinava-se a uma força de cavalaria. Está abundantemente documentado.


A situação do Forte de Chesters era excelente - junto ao rio Tyne.


Os balneários

Em Housesteads há mais outro Museu romano, expondo muito espólio das escavações.

Três ninfas aquáticas seguram vasos  enquanto despejam jarros de água (Cilurnum).

Pedras de moínho romanas.

A próxima paragem é na bonita  Corbridge (rom. Corsopitum, Coria), onde termina a estrada Stanegate acima referida.

Ponte de 1674.

A pequena cidade do Tyne não está no exacto percurso da muralha; na altura era uma povoação que abastecia a guarnição romana, 500 m a sudeste, uma localização estratégica no cruzamento de duas estradas: a Stangate (este-oeste) e a Dere Street (Norte-Sul).

Em 1735, uma menina de 9 anos encontrou na margem do Rio Tyne, perto do Muro de Adriano em Corbridge, esta requintada bandeja tardo-romana de prata:

O Lanx de Corbridge, bandeja de prata com Apolo [British Museum]

O deus Apolo está à entrada de um santuário, levando o seu arco, e a Lira pousada aos pés. A irmã Artemisa (Diana, deusa da caça) entra do lado esquerdo, e de mão levantada a pedir a palavra está Athena (Minerva).

No museu, junto às ruínas, outra peça valiosa e magnífica encontrada em Corbridge é esta escultura em calcário de um leão atacando uma corça.

The Corbridge Lion [Museu de Corbridge].

E ainda este vaso de cerâmica com uma cena de caça:




Está a valer o passeio ou não ? Aproximamo-nos já de Newcastle upon Twyne, na costa leste, onde vamos ter uma grande decepção: Segedunum, onde a muralha termina, não tem nada para ver. É uma zona portuária, muito construída, e a marcar esse terminus há apenas isto:

Wallsend

E mais isto, um feio memorial.

Para terminar melhor, vamos mais longe: aqui perto que situava-se um importante forte romano, Arbeia. Construído após o muro, em 160 DC,  destinava-se a patrulhar a fronteira Norte do Império e abastecer a linha de Fortes ao longo da muralha.

Porta ocidental de Arbeia, reconstruída em 1986.


Umbo de escudo romano encontrado nas escavações.

Outra peça bonita, este punho de faca com gladiador.

E para acabar uma peça lindíssima que foi para o British Museum: uma taça de bronze esmaltada de 122 DC.


Não imaginava tanta riqueza deixada pelos Romanos na longínqua Britannia.

-----------------------------------
Não foi nada pacífica, a presença romana em terras britânicas. A Legião IX desapareceu, dizimada em batalhas, obrigando o próprio Adriano a ir com a Legião VI em 119 DC pôr ordem naqueles confins do Império. Aguentou-se até 208, quando Septimus Severus levou um grande exército e empurrou os Caledónios para Norte, ampliando o Império até à Muralha Antonina. A situação degradou-se muito, militar e economicamente, ao longo do séc. IV, e a presença Romana terminaria cerca de 410.