sexta-feira, 11 de agosto de 2017

De novo, por fim, Edimburgo e o seu Festival


Talvez seja uma despedida, talvez não - o vôo directo agora é uma tentação, para um Festival que não é tão caro como outros (Salzburgo, Lucerne, Glyndenbourne) mas decorre numa cidade única, mágica, e costuma ter uma boa programação, com visita de grandes orquestras. Este ano só terei oportunidade de ver o Orfeo de Monteverdi dirigido por Gardiner com o Monteverdi Choir (que depois vai para Salzburgo), e mais umas coisitas ligeiras do Fringe que poderão ser engraçadas.

Um trailer do Orfeo de Gardiner no La Fenice:



Se o tempo o permitir, não queria perder as famosas Rosslyn Chapel e Melrose Abbey, que nunca cheguei a visitar.

Capela de Rosslyn
Interior

Rever as obras primas da National Gallery é um must: Boticelli, Cézanne, Corot, Degas, Gauguin, Manet, Monet, Seurat, Titiano, Van Gogh, Velasquez, Vermeer, Veronese... não falta lá ninguém. Na secção de Arte Moderna, também há Mondrian, Picasso, Lichtenstein...

Oliveiras, por Van Gogh, na National Gallery of Scotland

Até custa a acreditar que obras belíssimas como estas estão em Edimburgo !

Christ in the House of Martha and Mary, de Vermeer. Como ele retratava bem as mulheres ! O Cristo nem tanto...

Picasso, Mère et Enfant. Um esboço, duas cores, tanta beleza.


E por fim um pôr do sol inevitável em Calton Hill...

A 'Acrópole' de Edimburgo.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Ainda não vi o 'Dunkirk', mas do que ouvi já gosto


Tudo me indica que Dunkirk de Christopher Nolan é um filme a não perder; ainda não arranjei tempo para ir ver, mas já ouvi esta fabulosa Variação 15 da banda sonora de Hans Zimmer, que até me dá arrepios. É um trabalho sobre a famosa Nimrod de Edward Elgar, que integra as Variações Enigma.



Um remake conseguido, mas nada poderá substituir o original, uma obra prima total que eu levaria para a ilha deserta, sem qualquer hesitação; aqui fica pelo grande Colin Davis:





domingo, 6 de agosto de 2017

ponientes



' O ponientes, o tigres, o fulgores ' 
 ...

' Perscruto, ao longe, as sombras do sol-pôr...
 Chora o silêncio... nada...ninguém vem...'



«Un jour, j'ai vu le soleil se coucher quarante-trois fois!»
Et un peu plus tard tu ajoutais:
«Tu sais... quand on est tellement triste on aime les couchers de soleil...
- Le jour des quarante-trois fois tu étais donc tellement triste?
Mais le petit prince ne répondit pas.”

-----
Versos e texto de J L Borges, Florbela Espanca e Antoine de Saint-Exupéry

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Primeiro post de Agosto : flores do mar


Começou a época de praia com algumas nuvens:

Este ano os 'jardins' de vegetação dunar estão bem viçosos.



Depois desanuviou com a nortada, que nem é muito forte - ainda bem: já se pode sair em passeio com o sol a baixar.


Canaviais e jardins na duna, e flores de algas na orla da praia, com as cores a brilhar ao sol-pôr: uma festa vegetal.




A hora de sair a ver as ondas quebrar, as andorinhas a voar para os ninhos na parede, ir a procurar conchinhas e fazer fotografias, é sempre esta, mágica:

Não parece o monstro de Loch Ness ?


E a esplanada favorita também é esta, protegida da nortada:


Mas o rei e senhor destas paragens é o mar, claro.


Um bom mês de Agosto!