quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Uns dias na octogonal Tomar (1)

Uma das riquezas "deste país" podia ser uma rede de cidades pequenas mas com boa qualidade de vida, centro histórico cuidado e acessos razoáveis.

Chaves, Guimarães, Aveiro, no Norte, são disso exemplos. Dá gosto percorrê-las e sentir o modo de vida tranquilo e a bonita arquitectura urbana do centro. Até o comércio mostra alguma diversidade e imaginação, dispensando centros comerciais de periferia.

Mais para sul, Tomar é uma das minhas favoritas. Já lá não ia há dez anitos, e foi com satisfação que reencontrei uma cidadezinha bem tratada, limpa, melhorada, para além da exuberância de um património construído há muito reconhecido.

Comecemos pelo núcleo urbano antigo.


Entra-se pela ponte de D. Manuel sobre o rio Nabão. Ao longe, a muralha, no topo de uma encosta lindamente arborizada. À esquerda, os antigos moínhos, em vias de recuperação, pelo menos caiados. Como vista de entrada, nada mau.

Em frente, a rua da Corredoura, principal rua comercial, agora renomeada Serpa Pinto e de cara lavada. Logo à entrada, uma torre octogonal (1) encima a casa do historiador Vieira Guimarães. 


Uma estranha casa "neo-manuelina".

Depois, Art déco:

Casa Havaneza



Painéis de azulejo:


Desenho minucoso, num painel da cerâmica de Aveiro.

O Café Paraíso:


No antigo qiuosque, desactivado, ainda permanecem a Flama, a Eva (!!!) ...

E chegamos à Praça da República, sala de visitas.


A praça vive do portal gótico manuelino da Matriz; felizmente, há uma esplanada ao sol para desfrutar. Podia haver mais - nas horas melhores, está cheia.


A invulgar torre octogonal (2), decorada com baixo-relevos, e este relógio meio esculpido, meio pintado:



Lá dentro, um magnífico púlpito octogonal (3) em pedra calcárea, trabalhada em manuelino:



Assim, a principal artéria do núcleo urbano, agora pedonal, estende-se em linha recta entre duas torres octogonais. Curioso.

Outra entrada da cidade, que agora vai servir de saída, quem vai para Ourém, igualmente bonita, tem a ermida também octogonal (4) de S. Gregório e a linda Vila Tomé:




Continuo a reportagem amanhã. Mais octogonalidades...

5 comentários :

Paulo disse...

A igreja tem alguma pintura muito boa de Gregório Lopes. Viu a "Degolação do Baptista", certamente, e o retábulo do Baptismo de Cristo (este talvez de escola flamenga).

Mário disse...

A capela de Santa Iria tem um Calvário em alto relevo de João de Ruão, fantástico trabalho, pouco divulgado.

Paulo disse...

Pouquíssimo. Fotografou-o?

Mário disse...

Sim, quer que lhe envie, Paulo ? Talvez publique aqui, mas mais tarde.

(fotos fraquinhas, claro !)

Paulo disse...

Basta que publique aqui, Mário. Obrigado :-)