terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Ler e Reler: Dicionário de lugares imaginários,
'ficciones' para todos os gostos


A colecção de livros de viagem da Tinta da China editou finalmente um livrinho maravilhoso, do qual este 'Livro de Areia' se confessa leitor para sempre !


Trata-se de uma colectânea de textos sobre lugares míticos da ficção literária e não só - a Ilha do Tesouro, de Stevenson; Hogwarts, de J.K. Rowling; Thule, dos relatos greco-romanos; Narnia, de C.S. Lewis; A Terra do Meio, de Tolkien; a Utopia, de Thomas More; e de muitos outros autores -  Homero, Melville, Júlio Verne, Rabelais, Conan Doyle, Borges, Carroll, Kafka, F. Mendes Pinto... mas também Mozart, Wagner, Handel !

Organizadas por ordem alfabética (daí 'Dicionário'), as entradas são notas descritivas e históricas baseadas nos dados das obras originais; muitos dos textos vêm ilustrados com belas imagens ou mapas - sempre ficcionais, claro. É verdade que há descrições que podem desiludir, por comparação com a riqueza do nosso imaginário, e algumas são francamente pobres. Além disso, a recolha está longe de ser exaustiva; faltam por exemplo Hergé (Sildávia, Bordúria), alguns Borges fundamentais (Tlön, Uqbar), a Ilha de Morel de Bioy Casares; e noutros casos é excessiva - demasiados Tolkien, Ursula Le Guin, Edgar R. Burroughs (o do Tarzan). Mesmo assim, a colecção de referências é preciosa !

Os autores são dois bibliófilos - tinha que ser, leram imenso para aqui chegar - e James Cook desenhou os mapas. Muito bem encapado e encadernado, é uma prenda irrecusável para os tempos que passam - e nem sequer é caro.

Mapa de James Cook para o "Mundo dos Sonhos" de Lovecraft

Não resisto a transcrever alguns exemplos, dos mais curtos, como estes do delirante e impagável Luciano de Samósota (*) na sua História Verdadeira (séc. II !), frequentemente citado no livro:

ILHA DAS NOZES: No oceano Atlântico, perto do Mar Vegetal, assim chamado devido a certas árvores que nele crescem produzirem nozes enormes, com mais de cinco metros de comprimento. Os habitantes utilizam-nas como barcos.

MAR VEGETAL: Parte do Atlântico, com cerca de 75 km de comprimento, onde pinheiros e ciprestes flutuam sem raizes. Estas plantas estão tão densamente emaranhadas, que o viajante pode deslizar por cima delas com a ajuda de ventos fortes, desde que consiga primeiro içar o navio para cima das árvores


Ou esta de Italo Calvino (das Fábulas Italianas):

POCAPAGLIA: pequena aldeia do Piemonte, Itália, localizada no cume de uma colina cujas vertentes são tão abruptas e escarpadas que os habitantes penduram um saco debaixo dos rabos das galinhas para não perderem os ovos, pois de outro modo estes rolariam pela encosta abaixo até aos bosques.

;)



(*) Luciano de Samósata (125 AD, Samósata - 180 AD, Atenas)
"A História Verdadeira" é uma paródia de relatos de viagem, talvez a primeira obra de "ficção científica", escrita como sátira aos relatos fantasiosos de navegadores e aventureiros.

1 comentários :

Gi disse...

:-D
Este parece-me divertido e interessante.

Enviar um comentário