sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Capas da Penguin para Somerset Maugham - ilustrações de Finn Campbell-Notman


Não sou muito de colecções, mas gosto tanto das capas da Penguin Classics para os livros da série Vintage Maugham que desatei a juntar, uns atrás dos outros. Claro que também sou um leitor compulsivo de Somerset Maugham, desde os vinte e poucos anos - comecei com a Servidão e As Mulheres de Antibes, depois Um Gosto e seis Vinténs -, é o melhor contador de histórias que conheço.

Uma linda capa, também, com valor afectivo...

Mas agora adquiri outro gosto, ler Maugham em inglês, e na muito british Penguin, com capas lindamente ilustradas:
Nestas edições, a capa é desenhada por ilustradores britânicos, entre os quais saliento Finn Campbell-Norton (C-Norton abreviado). São dele as ilustrações de capa de Cakes and Ale, The Moon and Sixpence, Then and Now...

Os protagonistas centrais dos livros de Maugham são quase sempre mulheres, de quem era aliás um perspicaz e atento observador. Isso reflecte-se nas ilustrações:
Este, acabei de o ler há pouco. É ge-ni-al. Rose Driffield é uma daquelas "heroínas" de largo espectro, sem limites nem convenções, com enorme vontade de uma vida franca, livre, intensa. Pelo caminho arrasta tudo. Uma Bovary inglesa, sorridente e alegre, mais modesta mas também mais simpática. É impressionante a posição do narrador-autor, testemunha que observa e regista tanto como, também enamorado, se deixa envolver ele próprio - o desfecho surpreende.

Maugham foi um especialista em contos breves. Deve ter escrito várias centenas, e poucos se lhe comparam a combinar enredo curto com desfecho inesperado.
O favorito de Graham Greene - um relato muito 'old-fashioned' da cultura espanhola. Não aprecio.

Aqui Maugham aventura-se no romance histórico, passado na Renascença em Itália - Florença, Imola - e narrando o encontro entre Machiavel e os Borgia, de onde nasceria O Príncipe. Intriga, paixão, Maugham reflecte ainda mais que nunca sobre a natureza humana, "plus ça change, plus c'est la même chose". De 1946, é um dos seus últimos livros, uma delícia.


--------------------------


Agora sobre Finn Campbell-Notman:

É um ilustrador inglês de Londres, trabalha para a editora Folio. Gosto de alguns dos seus trabalhos gráficos, de que deixo alguns exemplos:

Srinagar lake


Valdemossa, Maiorca.

Mais:
http://www.folioart.co.uk/illustration/folio/artists/illustrator/finn-campbell-notman




3 comentários :

Virginia disse...

As capas são realmente uma colecção maravilhosa de desenhos muito originais e atraentes. Lembro-me das velhas capas, a minha Mãe adorava Somerset Maugham e nós líamos os livros que ela comprava. Não s li todos, mas alguns. Lembro-me dum conto que estudei com os alunos no liceu , bastante impressionante e difícil. Eles não simpatizavam com leituras extensivas e era preciso um esforço grande para que entrassem nas histórias. Eu, pelo contrário, adorava literatura e os textos literários sempre me atraíram mais do que os textos que agora se vêem nos manuais, tirados da net ou dos jornais e revistas. Uma das coisas que mais gosto em Leeds é de ir à Waterstones e passar horas a ver os livros de ficção e de Arte que eles lá têm. Aqui no Porto não há nenhuma livraria que me atraia. São todas muito frias e sem cadeirões, onde nos possamos sentar a fohear o que gostamos.

Gi disse...

Boa ideia, voltar a ler Maugham, ainda por cima não li muitas coisas dele.
As ilustrações de Notman (o link não funciona, foi preciso dar uma volta) são muito bonitas, muito pré-rafaelitas...

Mário Gonçalves disse...

Obrigado pelo reparo, Gi. Parece-me que já pus o link a funcionar.

Enviar um comentário