quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Giotto, imperdível


Cito, de http://noticias.up.pt/

Tem a forma exacta da Capela. No interior, um conjunto de fotografias reproduz os frescos, acompanhados de painéis didácticos e informativos que permitem mais facilmente reconhecer aquela que é das mais importantes obras-primas da arte ocidental: os frescos de Giotto na Capela de Scrovegni, em Pádua.

Construída em madeira e aço, o que se apresenta, no átrio de Química da Reitoria da Universidade do Porto, é uma réplica, à escala de 1 por 4, desta pequena igreja (21,5 metros de comprimento por 8,5 m de largura e 12,8 m de altura) mandada construir pelo banqueiro Enrico degli Scrovegni, em 1303, e consagrada à Virgem da Anunciação em 1305.
O interior expõe uma reprodução dos frescos de Giotto, tal como foram pintados nas paredes e no tecto da Capela de Scrovegni: ilustrações de grande realismo e expressividade que retratam cenas da vida de Cristo e da Virgem Maria.

Idealizada em 1987, para as celebrações dos 650 anos da morte de Giotto, que se comemoraram em Itália em 1988, esta exposição itinerante já esteve patente em cidades como Bruxelas, Weimar, Taipei, Córdova, Moscovo, São Petersburgo, Oslo, Amesterdão, Buenos Aires, Lima e Montreal.

Esta obra-prima de Giotto, considerado o grande renovador da pintura italiana, chega agora ao Porto, numa iniciativa da Universidade do Porto em colaboração com o Turismo de Pádua e o Consulado de Itália no Porto.

A exposição, patente de 26 de Fevereiro a 7 de Maio de 2009, pode ser visitada de segunda a Sábado, das 10h00 às 20h00. A entrada é livre.

2 comentários :

Daniel Silva disse...

Lindíssimo...

´pulga da areia´ disse...

Desilude quem contar com um ambiente semelhante ao da capela em Pádua. É uma maquete em cartão e papel de fotografia, e isso nota-se muito. Não que as fotos não sejam superlativamente bem conseguidas; falta-lhes rugosidade, a redução da escala (1/4) reduz o impacto da montagem, e o local da exposição deveria ser no mínimo uma capela. Mas dá uma vontade imensa de ir a correr a Pádua; os frescos são de uma beleza e perfeição só comparável a Fra Angelico.

Mário

Enviar um comentário