sábado, 8 de outubro de 2011

Revisitações sinfónicas, por David Zinman e Ricardo Chailly

Quem como eu se extasia com a verve sinfónica de Brahms não pode deixar de ouvir a recente gravação de David Zinman com a orquestra da Tonhalle de Zurich. Sobretudo depois da sua espantosa integral das 9 de Beethoven, que continua imbatível em termos de novas abordagens musicológicas.

Pode ser, claro, que seja um Brahms deslavado e anémico; mas não é a isso que Zinman nos habituou.


E também:

Ricardo Chailly gravou as 9 de Beethoven com a mítica Gewandhous de Leipzig, a orquestra que eu mais gostaria de ouvir um dia ao vivo - mais que Viena, Berlim ou Chicago, uma filarmónica com aura. A execução brilhante de Chailly, algo italiana mas muito precisa e atenta ao detalhe, promete momentos empolgantes, talvez surpresas. Estreia muito aguardada em Paris (salle Pleyel), numa interculturidade germânica (a Gewandhous) - italiana (Chailly) - francesa (a Pleyel).

Ouçam só:
ah! as cordas! ah! os metais !!


q.e.d !

entrevista :

0 comentários :

Enviar um comentário