quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Pires / Abbado e os Mozart nº 20 e 27

Acabo de ouvir a nova gravação de Maria João Pires com Claudio Abbado. O toque delicado, leve, ágil, alegre de Maria João é um prazer de se ouvir, e a Orchestra Mozart de Bolonha cumpre acompanhando com precisão e detalhe orquestral, em instrumentos convencionais.


Convencional é o que mais me parece a gravação. Depois de ouvir Brendel com a Scottish Chamber Orchestra dirigida por Mackerras, a diferença não podia ser maior. Brendel e Mackerras assinaram uma gravação marcante, histórica, inovadora, numa cumplicidade rara. A força de Brendel garante uma expressão mais intensa, e não menos articulada (embora menos rendilhada) que a de Maria João Pires; a direcção de orquestra de Mackerras, neste reportório, é muito superior à de Abbado, por outro entendimento da música pré-romântica alemã. Nos contrastes dinâmicos, nos ataque das cordas, na projecção dos sopros, é uma gravação onde a orquestra tem mais protagonismo, mais equilíbrio com o solista; não se limita a "acompanhar", como Abbado aparentemente faz com rigor e exactidão mas sem alma. Uma orquestra italiana que, como muitas vezes sucede, não compreende a música alemã, ficando-se por uma inexpressiva macieza.

Gostei mais, muito mais, de Maria João Pires com John Eliot Gardiner dirigindo com mão quase barroca a muito alemã orquestra de Viena.

4 comentários :

Virginia disse...

Obrigada pelo aviso....tentar-me-ia ouvir de novo a MJ , mas não gosto muito do que oiço de Abbado no Mezzo e prefiro ouvi-la com outra orquestra ou sozinha...

Abº

Paulo disse...

Discordo, como já sabe. Acho que MJP e Abbado se entendem às maravilhas.

Mário disse...

Virgínia,

Abbado é um grande intérprete de Mahler e Strauss; as sinfonias de Mahler, que gravou com a orquestra de Lucerne, são de referência, e às vezes passam no Mezzo.

Já com outros compositores (Beethoven, Mozart) tendo a concordar consigo.

Mário disse...

Paulo,

Entender, entender-se-ão. Mas este Mozart é "italianizado". O que ponho em causa é a autenticidade, não o fôlego interpretativo.

Enviar um comentário