segunda-feira, 6 de maio de 2013

Kaufmann nas estrelas


Que força expressiva impressionante!

Jonas Kaufmann, "E lucevan le stelle"
(da Tosca de Puccini)



E lucevan le stelle ...
ed olezzava la terra
stridea l'uscio dell'orto ...
e un passo sfiorava la rena ...
Entrava ella fragrante,
mi cadea fra le braccia.

O! dolci baci, o languide carezze,
mentr'io fremente le belle forme disciogliea dai veli!
Svanì per sempre il sogno mio d'amore.
L'ora è fuggita, e muoio disperato! E muoio disperato!
E non ho amato mai tanto la vita, tanto la vita!

2 comentários :

Virginia disse...

Curioso que não me entusiasmou nada esta interpretação. O tenor é quase barítono, a orquestra muito pesada e lenta, a ária sem ritmo e pouco apaixonada.
Tosca foi a primeira ópera que ouvi na minha vida no Coliseu de Lisboa, salvo erro com o Alfredo Kraus. Gosto dela, como de quase todas de Puccini, muito desesperadas a ponto de nos fazer sentir calafrios. Mas esta - desculpe a franqueza, Mário, não me entusiasmou!

Abº

Mário disse...

Discordemos, pois, Virgínia :)

Talvez (para muitos, certamente) o melhor Cavadarossi de sempre... não precisa de agudos fenomenais, o timbre grave é fenomenal, acho eu.

Admito que não seja ao gosto dos puristas do bel-canto e amantes de sobre-agudos.

Enviar um comentário