domingo, 12 de setembro de 2010

Bela Galiza:

Corcubión

Corcubión fica na costa Noroeste da Galiza, numa das Rías Baixas, na região conhecida como Costa da Morte, em tempos local de pirataria e de numerosos naufrágios.

Durante a presença romana e na Idade Média, esta região era julgada a mais ocidental da Europa. Há muitos vestígios ainda mais antigos da presença celta. Mas foi no séc. XV , com o fim dos ataques dos Vikings, que a aldeia de Corcubión começou a crescer como importante povoamento costeiro.

Corcubión foi declarada "sítio de interesse histórico e artístico" em Janeiro de 1984, pela sua arquitectura popular típica das aldeias piscatórias galegas, com as tradicionais varandas e galerias vidradas.

Na praça principal , város edifícios merecem observação, por exemplo a Casa Miñones de 1899., com elementos do estilo modernista, popular na época. Outro exemplo na Praça é a linda Casa do Xulgado.

Com arcadas e varandas, as estreitas ruas medievais têm também o seu encanto.

Nos arredores, outros exemplos conhecidos da arquitectura popular; horreos (espigueiros), moínhos, pombais.

Horreo de Carnota

Frente urbana sobre a ria

A famosa Playa Langosteira é um dos mais belos areais da região, com areia branca, águas cistalinas onde os peixes nadam confiantemente à nossa volta.

O Porto de Corcubión também nos recorda a história passada da vila. Depois de destruído na Guerra Peninsular (séc XIX), foi restaurado e alargado pela sua importância estratégica na ria. Actualmente é apenas marina de recreio.

Um curto passeio na estrada costeira em direcção ao mar aberto leva-nos ao Cabo Fisterra - o rochedo impressionante onde se julgava que tudo acabava...

Fotos minhas, 2005-2010 (excepto as duas últimas, Panoramio).

5 comentários :

Paulo disse...

Lindas fotos, Mário. Também sou um apaixonado da Galiza, embora conheça mal a zona que descreve, acima do Cabo Finisterra. Quanto à arquitectura, parece-me ser muito semelhante à d'A Coruña.

Mário disse...

Não é acima do Finisterra, é um pouco antes, "abaixo".
A arquitectura é semelhante à d'A Corunha nas varandas e galerias, mas o núcleo urbano é muito mais pequeno e menos "estragado".

Paulo disse...

Ah, a seta enganou-me. De qualquer modo, não conheço Corcubión. Já devo ter passado ao largo, mas sem tempo para parar. Agora que vi estas fotos, fiquei com vontade de lá dar um saltinho na próxima oportunidade.

Norberto disse...

Parabéns, Mário, pelo blogue. Eu sou corcubionês e como galego de naçom orgulho-me muito de que a minha vila goste aos irmãos portugueses. Para mais informaçom sobre Corcubiom e a zona vejam a web do Concelho de Corcubiom: http://www.corcubion.info/gl-pt/ que dispom de versom na nossa língua comum.

Mário disse...

Obrigado, Norberto. Foi com muito gosto que passei uns dias em Corcubión. A costa da Galiza é uma maravilha, devia ser classificada como património natural.