sábado, 26 de setembro de 2015

Rafael na Villa Farnesina, quase um segredo em Roma


Foi no último dia em Roma, já de malas aviadas, que visitei um Palácio meio escondido numa ruela separada do Tibre por um alto aterro onde corre, louco de trânsito, o Lungotevere. Inevitável perguntar onde era a Villa Farnesina, claro, o GPS em Roma é só uma semi-utilidade: conduziu para meio da viela esconsa e o palácio era na metade anterior, sentido proibido. Isso soube eu à segunda tentativa, pois o primeiro romano a quem se pergunta nunca sabe (é uma Lei !). Dir-se-ia que o terreno abateu, tal é a sensação de estarmos numa cova; as ruas não têm passeios, e com os estacionados só há uma faixa circulável, que passa tangente às portas das mercearias. O último dos sítios onde encontrar frescos de Rafael, parecia. E contudo...


Já sabia ( eu informo-me !) que este era um dos raros palácios-museus abertos à segunda-feira. Aberto todos os dias do ano, aliás, menos os dois do costume. Passou-me pela cabeça que, tendo em conta o formigueiro de turistas em Roma , estariam aqui aos milhares. Nada. Ninguém. Até receei estar enganado e o museu fechado. Entrada modesta, uma mesa serve de balcão. Cinco euros. Cinco? Rafael, certo?


Entrada directa para a Loggia di Galatea, com o primeiro fresco - "Triunfo de Galatea" (1512).

Começa logo na beleza das portadas.


Do fresco mural, deixo detalhes:




Ficar calado é a melhor opção.

Segue-se a Loggia di Amore e Psiche.


Nesta sala, as pinturas da oficina de Rafael sobre a fábula de Psiché, de 1518, decoram o tecto; vale a pena mostrar detalhes:





Escadaria para o 1º andar, e a (famosa) Sala das Perspectivas:


Peruzzi, o arquitecto do palácio (~1506), é também o autor da decoração da grande sala; caprichou nos frescos "trompe l'oeil" em que utiliza colunas para dar uma forte ilusão de perspectiva, parecendo que as paisagens enquadradas por uma loggia são vistas realmente de uma varanda.




A Villa é renascentista, claro; construída em 1510 para um banqueiro de Siena, é relativamente sóbria e com um modesto jardim.

http://www.villafarnesina.it/?lang=en


E foi o adeus a Roma. A não ser que...


1 comentários :

Gi disse...

Pronto, mais uma coisa a acrescentar à lista para ver na próxima visita a Roma.
Eu que pensava saber exactamente o que me faltava ver...
Lindas, as pinturas, linda, a casa, e lindo, o "modesto " jardim.
Obrigada, Mário.

Enviar um comentário