terça-feira, 10 de maio de 2016

Um espresso no Ártico ?
- 10 cafés muito a Norte


Volto ao tom mais ligeirinho, desta vez dedicado a apreciadores da bica, cimbalino, il espresso.


Depois da corrida migratória para Oeste, o futuro parece ser o Norte - go North young man. Na América, na África e Médio Oriente, as vagas migratórias vão para Norte. E os extremos - Canadá, Noruega, Suécia, Alasca, Gronelândia - são já refúgios para quem quer escapar da fornalha e procura emprego ou lazer sob a fresca. Lá ainda se encontra aventura, inesperado, e trabalho para quem tem formação ou empenho, e até inspiração para literatura e poesia.

E cafés, o tal sinal definitivo de civilização, também há ? Mesmo que seja um pub/café, ou café/bar...

Coffee is a lot more than just a drink; it’s something happening. Not as in hip, but like an event, a place to be, but not like a location, but like somewhere within yourself. It gives you time, but not actual hours or minutes, but a chance to be, like be yourself, and have a second cup
                                                                     Gertrude Stein, Selected Writings


Eis o resultado de uma breve e refrescante procura na net, sempre acima dos 60ºN. Viagem virtual e improvável, como é habitual aqui, saltitando de café em café :)


1. Mellegeret Café, Ny Ålesund‎ , ilhas Svalbard (Noruega)
    78°55' N 


Já aqui o referi uma vez - é uma imbatível primeira escolha, a quase 79º N, na perfeição de um ambiente Ártico remoto e pristino. Ursos brancos a rondar perto.


Com vista para fiordes e montanhas geladas, na direcção do Pólo Norte, não há quem não tenha ouvido falar dele. Um must.


O Mellageret foi construído em 1919 como armazém de farinha, ligado à proximidade da linha férrea mineira.

Esplanada a dar para os glaciares. Qualquer um se inspira para um poema.


2. The Seaview Café, Hope, Alasca
    60° 55′ N


Hope, esperança, já é um bom presságio...


O "Mar à Vista" no Alasca, ao fundo da Main Street da cidade de Hope, não fica muito a Norte, mas a minha segunda escolha é um monumento - está classificado como National Heritage, já existe há 120 anos a aquecer alma e coração a gente enregelada; tem, felizmente, sido renovado e melhorado, sem prejuízo da traça original.
Celebrando o Solstício de Verão no Seaview

Ponto de encontro de gente que vive num raio até centenas de quilómetros, é já um lugar mítico também. Infelizmente, fecha entre Outubro e Abril.


O interior, quentinho, contrasta com o que vai lá fora, mas a vista vale mais.

Ainda estamos muito a Sul do Círculo Polar, mas a paisagem já é ártica.


3. Cafémma, Uummannaq, Gronelândia
    71º 52' N

Este é muito recente, quase novo em folha ! A Gronelândia convertida ao café.


Na maior 'cidade' (aldeia por padrões europeus) do norte da Gronelândia, destino turistico de espantosa beleza, este café do alto Ártico é para curtir sobretudo em... esplanada, o que exige roupas bem quentes !


Como café urbano, este deve ter o record absoluto em latitude - mais a Norte é difícil encontrar cidades.

No interior, café com vista para o porto. Escrever uma novela ?

Requinte a quase 72º N, no país dos esquimós. Custa a acreditar.


4. Inuit café, Ilulissat, Gronelândia.
    69° 13' N


Ilulissat é a Meca do turismo na Gronelândia, por causa do glaciar Sermeq Kujalleq, classificado (com a zona envolvente) como património mundial pela Unesco. Está 200 km a norte do Círculo Polar, ainda é frio que chegue. O café/restaurante abriu em 2011, sinal da mudança de hábitos - talvez a tentar desviar a tendência local do álcool.

Os elementos Thai denunciam a nacionalidade do proprietário.


5. Gallery Café, Inuvik, NWT, Arctic Canada
    68º 21' N

Inuvik é uma povoação Inuit que cresceu até ser pequena cidade, no grande delta do rio Mackenzie, 200 km a Norte do Círculo Polar. Mesmo no centro, o Café Gallery é uma extrema raridade nestas terras, uma de que Inuvik fez culto. Mas fecha no Inverno.



Com bolo e tudo. Mas nas Terras do Noroeste do Canadá (NWT), cafés só nos hotéis; O Gallery é (era ?) uma excepção. Este ainda não é um Ártico muito apetecível...


6. Bláa Kannan, Akureyri, Islândia
    66º 18' N


Akureyri é uma cidadezinha islandesa, ártica q.b., mas com um ambiente urbano já razoável (pop. 20 000), e que oferece entre outros o excelente Bláa Kannan. Muito concorrido no Verão.


Podia ser na Europa central.

Flores e far niente a 66º N, não há muito onde.




7. The Glue Pot, Nome, Alasca
    64º 30´N

Nome é uma cidadezinha histórica e modesta da era da corrida para o ouro (1898-1900), no Noroeste do Alasca, e aberta às investidas violentas do mar de Bering.


Ao longo da rua principal, que lembra o Faroeste americano, os bares em madeira são porta-com-porta; no Glue Pot, que é bar e serve café, há gulodices e ... gelados ! Sim, em regra as gentes do Ártico adoram gelados - se calhar são mais quentes que o ar que respiram...

Aberto toda a noite.


8. Café Ruiskuhuone, Raahe, Báltico, Finlândia
    65º 25' N

A Finlândia não será um país de cafés, certamente. Raahe é um pacata mas bonita cidadezita do ártico finlandês, e oferece um grande espaço de convívio à beira da água do Golfo da Bótnia: o Café Ruiskuhuone, que serve sobretudo como bar e café-concerto.


No inverno parece pouco convidativo:


Mas
Fica assim nas tardes de Verão.

E assim nas noites.


9. Trondheim, Noruega
    63º 10' N

Trondheim é talvez a maior cidade acima de 60º N, sem dúvida a mais bela. Muito concorrida e cosmopolita, tem vários cafés ( e casas de chá) - difícil é escolher.


Numa das ruas mais antigas, fica o 'Dromedar'. Ia já para lá a correr.


Com sol ou com neve, de dia ou de noite. Estamos a dois passos do Ártico.


Melhor, só o luxuoso Ni Muser, com doçaria de morrer, localizado junto à fabulosa catedral Nidaros:

Contrariamente ao que se diz, a Noruega tem a cultura Europeia do café. Já a Suécia nem tanto.

Para gostos urbanos e bolsas cheias, não há melhor escolha.

Boas calorias para os 63º N !


10. Café Natur, Tórshavn, ilhas Faröe (Dinamarca)
      62° 00′ N

Bem, Tórshavn já é uma capital !


As lindíssimas Ilhas Faröe até nem ficam assim tão longe, à distância de um vôo de Copenhaga. Na capital há vários cafés, mas o Café Natur é o mais antigo e o mais bonito.


Situado no antigo porto, fica junto à cidade velha e ao parlamento Viking. Também já é um café/bar mítico, imperdível.





                                  Café :
                                  Noir comme le diable, 
                                  Chaud comme l'enfer, 
                                  Pur comme un ange, 
                                  Doux comme l'amour.
                                                                Talleyrand


                             Dromedar, Trondheim


Disclaimer: alguns destes estabelecimentos podem entretanto ter encerrado, não garanto os dados à data de hoje.


2 comentários :

Gi disse...

O frio que apanhei no Canadá desgostou-me de vez dessas latitudes.. Mas as esplanadas são apetitosas. Durante muitos anos achei incrível que Lisboa tivesse muito menos esplanadas do que qualquer cidade com pior clima; finalmente parece estar a mudar.

Mário Gonçalves disse...

Não há fome que não traga fartura , Gi - agora são de mais ! E muitas ocupam os passeios de forma caótica.

Mas Londres sofre do mesmo: nunca foi cidade de "al fresco", agora é uma invasão incómoda.

Mas o que me agrada nestas terras do Norte é que estejam a melhorar a qualidade de vida - já sabem e gostam de passar um tempinho à boa vida e ao ar livre, a conversar, a observar, a ler, com o seu café. Poucas coisas há de melhor para levarmos conosco quando acabar.

Enviar um comentário