quarta-feira, 30 de março de 2011

Trans-siberiano (II)


PRIMEIRA ETAPA

1 - Nizhny-Novgorod

Le train dans lequel Michel Strogoff prit place devait le déposer à Nijni-Novgorod.

A pouca distância de Moscovo, nas margens do Volga, Nizhny-Novgorod (antiga Gorki) foi local de ferozes batalhas entre russos e mongóis, várias vezes queimada e reconstruída; rivalizou em poder e influência com Moscovo no séc. XIV. Tornou-se capital comercial e feira de renome mundial no séc XIX.


Nijni-Novgorod, qui en temps ordinaire ne compte que trente à trente-cinq mille habitants, en renfermait alors plus de trois cent mille, c’est-à-dire que sa population était décuplée. Cet accroissement était dû à la célèbre foire qui se tient dans ses murs pendant une période de trois semaines. (...)
La ville, assez morne d’habitude, présentait donc une animation extraordinaire. Dix races différentes de négociants, européens ou asiatiques, y fraternisaient sous l’influence des transactions commerciales.

Infelizmente, o estilo neoclássico/imperial estalinista povoou a cidade de edifícios administrativos pesados e de feios monumentos ao regime.

Mais vale ficarmos pelas cúpulas douradas da Igreja da Natividade de São João Batista(1680) :



e pelo belo Teatro dramático (1798):


2 - Kazan

Aqui sim, vale a pena fazer a primeira escala e visitar a cidade, até porque é a verdadeira porta de entrada na Sibéria.

A estação é a primeira de uma longa série, monumental:


Kazan, também nas margens do Volga, ainda é europeia, mas já é bicultural e bilingue; foi cidade tártara (muçulmana) até Ivan o Terrível a ter conquistado e cristianizado. Por isso, além de placas bilingues, também as mesquitas emparelham com igrejas ortodoxas.

On voyait là des Tartares vêtus d’un cafetan à manches courtes et coiffés de bonnets pointus dont les larges bords rappellent celui du Pierrot traditionnel. D’autres, enveloppés d’une longue houppelande, la tête couverte d’une petite calotte, ressemblaient à des Juifs polonais. Des femmes, la poitrine plastronnée de clinquant, la tête couronnée d’un diadème relevé en forme de croissant, formaient divers groupes dans lesquels on discutait.

O ponto alto é o famoso Kremlin (cidadela) de Kazan, só ultrapassado pelo de Moscovo, e classificado como Património Mundial.



A Torre Spasskaya, porta de entrada do Kremlin.


A Catedral da Anunciação (ortodoxa) é o mais antigo edifício em pedra de Kazan. Do mesmo arquitecto que construiu a Catedral de S. Basílio da Praça Vermelha de Moscovo, Postnik Yaklev, foi começada em 1552, após a conquista da cidade por Ivan o Terível. Tem 5 ábsides e 6 naves.





Uma mesquita muito a Norte:



De resto, Kazan, capital da Tartária, é uma cidade que vale a pena visitar, desde as margens do Volga às ruas centrais onde ainda se encontram antigas casas de madeira, e muitas, muitas igrejas:

Rua pedonal

Casa de madeira

Marginal e ponte sobre o Volga

Noite branca em Kazan, cúpulas ao longe.

Si Kazan est justement appelée «la porte de l’Asie», si cette ville est considérée comme le centre de tout le transit du commerce sibérien et boukharien, c’est que deux routes viennent s’y amorcer, qui donnent passage à travers les monts Ourals.

E por hoje ficamos aqui. História, Arte, Literatura, e ainda há os museus...

Museu Nacional da Tartária



Que tal, está a agradar? Próxima etapa:

- As dachas, vistas da janela
- Perm, Omsk, os montes Urais e o Altai

Boa noite!





(citações do Michel Strogoff de Jules Verne)

(continua)

7 comentários :

Alberto Velez Grilo disse...

Mário que maravilha!

Descobri um site do Trans-siberiano, mas os preços não são convidativos (e com estar crise...). http://www.trans-siberian.co.uk/

De qualquer forma, os seus artigos estão tão bem feitos que é quase como se estivessemos a fazer a viagem.

Obrigado

Mário disse...

Caro Alberto,

Há de facto várias opções; deve ter visto a viagem no Golden Eagle Express, mais cara, com mais luxo, mas empacotada - tem programa fixo , incluindo muito poucas visitas e excursões.

Baseio a minha viagem no combóio de carreira, o nº2 dia sim dia não "Rossiya", em 1ª classe. Posso programar as etapas e escalas à minha vontade, e fica bem mais barato!

Alberto Velez Grilo disse...

Obrigado pela informação Mário.

Que tal, no fim desta sua excelente viagem virtual, nos fornecer todos os dados sobre como fazê-lo?

Um abraço

Joana disse...

Segunda etapa tão aliciante como a primeira.
Já andei de comboio na Rússia, dormi numa carruagem muito parecida com a da imagem ( 1ª etapa). Apertada! Mas, mesmo assim, dormi bem. O oscilar do comboio embala.
Fico à espera de seguir viagem...

Mário disse...

Espero que goste da 3ª, Joana, mas só amanhã...

Gi disse...

A cabina parece realmente apertadinha, e a deste post tem uma decoração horrenda. Em termos práticos, como serão os banhos?

Voltando à fantasia, há anos que me pergunto como será Kazan, mas nunca tinha ido pesquisar.

Mário disse...

É verdade, Gi, as casas de banho são apertadas, feias e desconfortáveis (embora limpas, dizem).

Mas nesta viagem idealizada só falo de coisas boas, claro!