segunda-feira, 2 de julho de 2012

Por onde começar? talvez pelo inesperado...

Mesmo quando se tem tudo planeadinho, acontece por vezes num tempo livre deixado à solta uma das melhores e mais gratas experiências de viagem.

Assim aconteceu, em duas tardes livres em Londres que dediquei a far niente:

Estava sol mas não muito calor, o ideal para passear pelas ruas no 2º andar de um vermelho London bus. Não cansa os pés, vê-se o rebuliço e as fachadas e vai-se saindo onde se quer.

Trafalgar estava apetecível - as colunatas brancas da National Gallery e da igreja de São Martinho do Campo iluminadas intensamente pelo sol já baixo - e era altura de lhes dizer adeus. Ao passar em St. Martin, cartazes de concertos livres:


Pareceu-me ouvir música vinda lá de dentro. E era: ensaiava para essa noite o grupo liderado pelo violinista Joshua Fischer que ia tocar Bach e Vivaldi.

Momento quase mágico, com a luz a entrar em força pela janela do fundo, projectando sombras nas paredes claras. Bach enchia a nave. Irresistível. Para mais, é tão bonita, aquela igreja de madeira, branco e gessos... mini-filme:

video

Noutra tarde livre, com os pés pisados de calcorrear Notting Hill e Portobello (fugimos sempre do mercado, claro), pasmava frente ao cinema Coronet em Notting Hill Gate: como é possível que um edifício daqueles, numa zona urbana movimentada, ainda não tenha sido engolido pelas salas multiplex de qualquer shopping? Pois é assim.

Enorme, imponente, era um antigo teatro que foi convertido em movie theater. Prometia ser interessante ver cinema ali, como nos velhos tempos se via no Rivoli, no Batalha ou mesmo no Coliseu. A bilheteira era o balcão do café/bar... o filme era Moonrise Kingdom de Wes Anderson, com alguns actores de respeito. A sinopse do filme prometia tudo menos chatice. Vamos lá.

A sala era um salão enorme , claro, com plateia, balcão, tribuna e sei lá que mais, tudo forrado a vemelho com mutos candeeiros, alguns dourados e pinturas no tecto... ena, isto devia estar classificado (e está). Podia-se deambular à vontade, sair e voltar a entar, ir lá fora para um cigarrito... já nem estou habituado a esta "qualidade de vida". Nao havia pipocas, nem telemóveis.

A qualidade da projecção era *****: imagem luminosa e bem focadinha !, coisa difícil por cá. Depois de uma valente estopada de anúncios e trailers (isso é igual, hélas) o filme era uma obra prima deliciosa, com uma realização de mestre, inventiva e bem disposta, um enredo invulgar e invulgarmente filmado onde todas as personagens se tornam simpáticos na sua humanidade. É uma história de dois adolescentes que fogem de casa para se juntarem, numa história de amor tão ingénua, aventurosa, arriscada e corajosa que faz mesmo vontade de voltar a ter 13 anos.

O Coronet é uma raridade, e deu-me a ver um dos melhores filmes dos últimos tempos - penso mesmo que ultrapassa o Hugo de Scorsese.

Cartaz no corredor do metro: "the perfect antidote to summer blockbusters" - pode haver melhor recomendação ?

Moonshine Kingdom - a não perder !

4 comentários :

Enviar um comentário