segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Post do Ártico: Belushya Guba, quem ouviu falar ?


Prosseguindo com o tema "os extremos da Europa", como Kazan a leste nos Urais ou Longyearbyen a norte nas ilhas Svalbard, referência agora para uma terra do nordeste europeu que é quase incognita. Belushya Guba é o centro urbano mais importante de uma ilha com 90 000 km2 (o tamanho de Portugal). A ilha chama-se Novaya Zemlya (Terra Nova em russo) e fica no Ártico siberiano; o curioso é que, sendo uma extensão dos Urais, ainda pertence à Europa!


De facto, é mesmo o extremo nordeste da Europa:
Novaya Zemlya não é uma ilha mas um arquipélago, constituído por duas ilhas separadas por um estreito canal, navegável quando o mar degela - o Matochkin Shar.
A poente, é o Mar de Barents; a leste, o Mar de Kara. Ambos gelam no inverno, prolongando no mar a calote gelada que cobre as ilhas.
Belushya Guba foi fundada em 1895, ainda na época da caça à baleia. Mas entrou para a História em 1954, quando os russos decidiram usar Novaya Zemlya como sítio de testes para bombas atómicas. Passou a ser  nessa altura um feio aglomerado de blocos militares ( e eram muitos os que serviam na base e no aeroporto próximo, Rogachevo). Desde o fim da guerra fria, semi-abandonada, foi decaindo tornando-se um tenebroso desterro para militares. Com o actual boom de enriquecimento súbito na Rússia, alguma coisa vai mudando - melhoram os transportes e as infra-estruturas, os serviços à comunidade...
... pintam-se os feios blocos de cores vivas, (re)constroem-se escolas e igrejas...

Assim, toda colorida e repavimentada, parece outra coisa. Tem lojas, mercado, hospital e clínicas, cabeleireiro, hotéis, piscina e ATM

E uma igreja, claro.

"Restyling" à russa: nova igreja ortodoxa.
Os dois ícones da Rússia, a igreja ortodoxa e a estátua de Lenine, num frente-e-frente desafiador.

Coordenadas  71.5° N, 52.3° E
População: ~ 2000


Ainda continua a ser maioritariamente habitado por militares e suas famílias, mas agora é o petróleo e os minérios que estão na mira, sobretudo porque as rotas cada vez mais acessíveis do Ártico começam a ser rentáveis.

Parque infantil da nova escola.

Novo estilo de vida, alguma democracia e bem estar.

Uma escola para 560 alunos, infantário, novos apartamentos, dois hotéis, lojas e cabeleireiro, estúdio de fotografia, hospitais com 200 camas, uma clínica, um pavilhão desportivo com piscina olímpica...

O melhor edifício é a Casa dos Oficiais

No Verão, as temperaturas variam entre −12 °C  e +10 °C - podia ser pior, mas as tempestades e a longa noite invernal são terríveis.



Auroras

Aurora sobre Belushya

Como fica a norte do Círculo Polar, o fenómeno das auroras é frequente
.


 
A beleza de Novaya Zemlya

Novaya Zemlya ficou tristemente célebre como local de testes de bombas nucleares durante a guerra fria; foi lá que os soviéticos fizeram rebentar a maior bomba de todos os tempos - a "Tsar bomba". 

Isso já lá vai. Agora começa a ser cada vez mais visitada por cruzeiros turísticos. E não admira:


Glaciar, no golfo de Inostrantseva, na costa norte.

O estreito de Matochkin

Capela em Matochkin

---------------------
O norte da Sibéria foi durante séculas uma zona mártir - abandonada, usada para trabalhos forçados nos Gulags, povoada de tribos nómadas deixadas na miséria, salpicada de feias cidades industriais (*) que eram (e são ainda) pesadelos monstruosos, para onde se degredavam os camponeses e pastores convertidos pela força à vida desumana em fábricas imensas, muitas hoje em ruínas. Acrescem casos como este, de um sítio habitado pelas tribos Nenets, que foram desalojadas quando começou o programa atómico.


A comunidade Nenets de Matochkin Shar


Tyko Vylka , um artista Nenets, retratou a vida da sua tribo antes de ser desterrada para a Sibéria.


A ponta nordeste da Europa: 

Cabo Zhelaniya 76° 57′ N, 68° 34′ E.



-----------------------------------------

(*) uma dessas horrendas é Norilsk, capital mundial do níquel, que está a passar em publicidade enganosa no Euronews.

4 comentários :

Enviar um comentário