segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Claudio Abbado, um italiano em Luzern.


Poucos serão os músicos com uma carreira tão exemplar como Claudio Abbado. O maestro italiano dedicou-se integralmente à música, à direcção de orquestra e ao estudo musicológico, com um voluntarismo, uma seriedade e uma paixão que não haverei nunca de  esquecer.

Atingiu o seu melhor, quase de génio, com a Orquestra do Festival de Lucerna, que fundou e dirigiu já com idade avançada mas na posse de uma maturidade que nos deu concertos inesquecíveis e as melhores gravações de Mahler dos últimos anos. Mas com Mozart e Bruckner era igualmente incontornável. Lamento só que nunca se tenha verdadeiramente dedicado a Brahms e a Wagner.


Tive a sorte de o ver dirigir a 2ª de Mahler em Lucerna. Mahler, Abbado, Lucerna são desde então indissociáveis no meu imaginário.

Entra para o podium dos grandes, com Bruno Walter, Toscanini, Klemperer, Karajan, Bernstein...

Só um bocadinho - empolgante - da Quarta:




7 comentários :

Paulo disse...

Triste notícia, embora de certo modo esperada.

Vi-o dirigir a Filarmónica de Berlim no Coliseu de Lisboa. A 2ª de Mahler.

Gi disse...

Eu nunca o vi ao vivo, mas na televisão (no Mezzo) sempre admirei a sua elegância. Triste notícia, sim.

Mário Gonçalves disse...

Paulo, então faz também parte dos felizardos :)

Paulo disse...

È vero.

Mário Gonçalves disse...

Gi, e o que ele trabalhava nos ensaios !

Quem se entendeu bem com ele foi a M. J. Pires, foram colegas na DG, para nosso proveito.

Gi disse...

Mário, já a parceria com a Hélène Grimaud acabou mal, lembra-se?

Mário Gonçalves disse...

Abbado não era conhecido por feitio difícil, mas queria ser ele a decidir como interpretar uma peça. A Grimaud, que nem é uma pianista por aí além, gosta de se exibir. A cadenza de Busoni é mais vistosa e valoriza mais os dotes pianísticos, mas claramente não é "historicamente autêntica", acho que Abbado pôs a fidelidade a Mozart acima do resto.

Quando ouvi o Brahms falhado da Grimaud, passei a dar a razão toda ao maestro. Espero não ser por machismo ;)