terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Males que vêm por bem, ou 'Viva o Velho ! '


Avariou-se o meu amplificador do sistema audio. Foi para reparação e lá está vai para ... 2 meses !

Houve alturas em que desesperei por falta de música. Claro que ia ouvindo nas colunitas do portátil, mas não é a mesma coisa, de todo. Gosto daquele som cheio e do palco vasto.

Entretanto, os CDs em espera iam-se acumulando. Ainda levava alguns para ouvir no carro - aí o problema é que a audição é sempre interrompida por mil e um ruídos, distrações,  e pelo fim da viagem.

Uma alma caridosa lembrou-se de que tinha em casa um ampli extra sem uso. Quando o levei para casa estava incrédulo e pouco motivado. Era um Musical Fidelity A1 dos anos 80,  já muito "tosco".  Incompatível com os meus cabos de colunas.

Mais uma vez que fui à loja protestar contra a demora; o amigo Francisco nada podia fazer, mas sugeriu uma marosca - "shuntar" (*) as colunas, de modo a ficarem com metade das entradas e serem compatíveis com a saída do ampli. E fez-me os "shunts" - 4 cabitos coloridos com as pontas nuas.

Em casa olhei para aquilo, descrente, mas comecei a longa tarefa de ligações. Não atinei à primeira, mas de repente... há som nas colunas !
E que som ! Ena.
Pois o MF A1 do meu mano Paulo, de 45 W,  envergonha o meu Arcam de 2001 avariado, de 100W. É muito mais limpo, articulado, focado, um pouco seco mas até gosto - o meu é demasiado para o macio. Estou entusiasmado. Há discos que parecem renascidos.

Discos que vão rodando:

Os 6 Brandeburgueses de Bach pelo escocês Dunedin Consort:
Uma revelação. Quem acha que já não é possível fazer melhor que Pinnock, Jacobs ou Giardino Armonico está enganado. Prémio Gramophone 2013.

Concertos para violoncelo de Vivaldi porJean Guihen Queyras e a Ak. Alte Musik:
Surpresas vivaldianas bordadas em seda. Fica aqui um extracto:

O adagio (aos 3:08) é uma pequena jóia.

Geminiani, sonatas para violoncelo, por Bruno Cocset & Les Basses Réunies
'Une étude particuliére' de Monsieur Geminiani, para nosso deleite. Ninguém mais soa assim como os Basses Réunies.

E, claro, Brahms (tudo!), o Schubert de David Zinman, o Wigmore Recital de M. J. Pires ... e à noite algum John Surman.
Ainda não voltei à ópera e canto, mas não tarda.

-----------------
(*) em português: curto-circuitar :)

5 comentários :

Gi disse...

Faz-me lembrar a Madonna e o seu "Like a Virgin", hehehe...

Gi disse...

E a propósito das colunitas do portátil, o meu, desde que lhe pus o Windows 8, está com um som de m***a :-(

Mário Gonçalves disse...

Provavelmente é da idade, Gi mas... não percebi :(

blographo disse...

enjoy it :)

Mário Gonçalves disse...

O MF Está como novo. O defeito em tua casa deve ser dos cabos.