quarta-feira, 19 de março de 2014

CM - Sokolov, o russo


Gostava de saber o que pensa o pianista do actual regime russo e da questão da Ucrânia. Parece tão feliz sempre que o ouço em concerto, ao contrário do típico eslavo daquelas paragens! Mas como não é para isso que ele cá está - e ainda bem - vamos ao concerto de ontem na Casa da Música, que foi gravado, talvez para incluir em futuro CD.

Sokolov é fulgurante em Scarlatti ou Rameau, perfeccionista em Schubert e Beethoven, mas o seu pianismo de grande vitalidade aproxima-se um tanto do virtuosismo ao cravo. Em Chopin, uma musicalidade assim brilhante e luminosa podia revelar-se algo desadequada. Mas até foi uma diferença bem vinda - de Chopin meloso, arrastado, com muito pedal, estamos fartos. Só ponho em causa o programa "todo Chopin" do concerto, preferia mais variação histórica, mas enfim.

Se há magia nas mãos de Maria João Pires, há eloquência festiva e extremo virtuosismo nas de Sokolov. Cada nota escrutinada como se a música estivesse toda concentrada ali, e mesmo assim jorra e flui em perfeita corrente de harmonias. É uma espécie de DiDonato do teclado :) .

Foram sublimes o Largo e o difícil Finale da  Sonata nº 3 op. 58; algumas das 10 Mazurkas - gostei mais da op. 68 n° 2, op. 68  n° 3, op. 30 nº 4 - e nos encores houve, deo gratias, Schubert, só por si a valer todo o concerto.

---------------------
Nota: Sokolov tocou num Steinway especial, que veio de Espanha. O som era fabuloso !

Flores para Sokolov. flores para o piano

7 comentários :

Gi disse...

Essa comparação com a minha cantora preferida enche-me de curiosidade; quando conseguirei assistir a um concerto de Sokolov?

Mário Gonçalves disse...

Tal como os da DiDonato, começam a ser uma coqueluche.
Tudo de pé aos "bravôs".

É um bom pianista, mas há muitos outros por aí que eu gostava mais de ouvir. Sem histerias.

Virginia disse...

Desta vez perdi-o...estava em Leeds.

Mas já cheguei ( derreada). Fez-me bem....

Mário Gonçalves disse...

Nunca fui a Leeds. Se calhar fiz mal. Parece fora de mão...

Virginia disse...

Tem comboio direto de Stansted 2.3 minutos. É uma Londres pequenina, cheia de vida e jovens. Uma cidade que me está ligada porque sim!!

Não sei se qualquer pessoa gosta....mas todo o Yorkshire é uma beleza e tipicamente britanico. As pessoas são adoráveis!"

Abº

Paulo disse...

Tive a sorte de ouvir Sokolov na Gulbenkian já há muitos anos.

(Oxalá não tenha havido tosses a estragar a gravação.)

Mário Gonçalves disse...

Paulo,

ah ah, as tosses : houve dois avisos, ambos repetidos em inglês, portanto 4, mais outros tandos no ínício da 2ª parte... para as pessoas evitarem ruídos :D
Foi engraçado sentir como as pessoas se continham - alguma tosse era logo abafada - para nos intervalos entre andamentos haver uma descarga monumental. Uma vez Sokolov teve de ficar à espera que acabasse.

Mas- milagre - durante os encores, nem a mais pequena tossita ! E nem sei se também estavam a ser gravados.

No geral, correu bem. Deve ser fácil eliminar os intervalos. Espero é que os microfones e demais técnica estejam à altura de reproduzir o som daquele piano magnífico.

Enviar um comentário