quarta-feira, 19 de março de 2014

CM - Sokolov, o russo


Gostava de saber o que pensa o pianista do actual regime russo e da questão da Ucrânia. Parece tão feliz sempre que o ouço em concerto, ao contrário do típico eslavo daquelas paragens! Mas como não é para isso que ele cá está - e ainda bem - vamos ao concerto de ontem na Casa da Música, que foi gravado, talvez para incluir em futuro CD.

Sokolov é fulgurante em Scarlatti ou Rameau, perfeccionista em Schubert e Beethoven, mas o seu pianismo de grande vitalidade aproxima-se um tanto do virtuosismo ao cravo. Em Chopin, uma musicalidade assim brilhante e luminosa podia revelar-se algo desadequada. Mas até foi uma diferença bem vinda - de Chopin meloso, arrastado, com muito pedal, estamos fartos. Só ponho em causa o programa "todo Chopin" do concerto, preferia mais variação histórica, mas enfim.

Se há magia nas mãos de Maria João Pires, há eloquência festiva e extremo virtuosismo nas de Sokolov. Cada nota escrutinada como se a música estivesse toda concentrada ali, e mesmo assim jorra e flui em perfeita corrente de harmonias. É uma espécie de DiDonato do teclado :) .

Foram sublimes o Largo e o difícil Finale da  Sonata nº 3 op. 58; algumas das 10 Mazurkas - gostei mais da op. 68 n° 2, op. 68  n° 3, op. 30 nº 4 - e nos encores houve, deo gratias, Schubert, só por si a valer todo o concerto.

---------------------
Nota: Sokolov tocou num Steinway especial, que veio de Espanha. O som era fabuloso !

Flores para Sokolov. flores para o piano

7 comentários :

Enviar um comentário