domingo, 28 de setembro de 2014

Como é que ainda nunca tinha ouvido
'Komm, o Schlaf' e 'Tristis est' ?


Duas pequenas obras lindas de morrer.

A primeira, uma ária de Telemann da sua ópera Germanicus (1704) só estreada em tempos modernos em 2007 e gravada em 2011, uma das vinte que o compositor terá escrito, na maioria perdidas.

Canta, muitíssimo bem, Nuria Real, com a Kammerorchester Basel.

Komm, o Schlaf und lass mein Leid


Komm, o Schlaf und lass mein Leid
In der stillen Einsamkeit sich vergraben.

Schließ die müden Lichter zu,
Lass die Ruh
nach dem ausgestandnen Schmerz
Dieses abgemattete Herz
Wieder laben.

Come, o sleep and let my sorrow
in the silent solitude be buried.


Close the tired lights,
let the peace
after the departing pain
> this exhausted heart
Refresh again.


Esta outra ainda mais antiga, um motete a capella, de Orlande de Lassus (ou Roland de Lassus) (1532? 1530? -1594), exemplo dos caminhos da música no fim do Renascimento.

Tristis est anima mea


Tristis est anima mea usque ad mortem:
sustinete hic et vigilate mecum.
Nunc videbitis turbam
quae circumdabit me.
Vos fugam capietis,
et ego vadam immolari pro vobis.


'Um dos mais dramáticos motetes narrativos de Lassus', com uma 'invulgarmente vasta tessitura'.
http://www.hyperion-records.co.uk

Ouvi há pouco na rádio uma interpretação ainda mais excelente
pelo Platinum Consort, que só consigo encontrar em mp3.



0 comentários :