quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Nuno Crato, o Indefensável


Sim, lembro-me bem, festejei aqui com optimismo a nomeação de Nuno Crato para ministro da Educação. E, bem sei, não faltou quem estivesse de pé atrás, ver para crer. Tinham razão, eu não.

A minha ingenuidade apoiava-se na atitude de seriedade e respeito que Nuno Crato tinha até então demonstrado, tanto nos escritos como no discurso publicado nos media. O contraste com a personalidade indescritível das suas antecessoras era tão grande que me deixei iludir pelas aparências. Afinal, já tínhamos tido ministros sérios e capazes, como Roberto Carneiro ou David Justino.

O ministério de Nuno Crato é um desastre, uma catástrofe sem fim à vista. Destruir totalmente a confiança no sistema educativo é obra. É verdade que já tinha herdado uma bela herança, e bastou-lhe subir aos ombros dos anteriores obreiros para ter sucesso quase garantido. Mas reconheço que não é para qualquer um gerir de forma tão maquiavélica, tão diabólica, tão demolidora, o sistema educativo de um país ao ponto de juntar contra ele todos os sectores envolvidos no processo.

Nao sei se foi intencional ou cabotino no modo como implementou erro atrás de erro. Se calhar os exames podiam trazer benefício, ou a autonomia, ou a renovação do processo de colocações, ou o retoque nos programas. Mas foi tudo, tudo, sempre, sempre, mal feito, por equipas incompetentes, com erros de planeamento e de execução, nunca claramente assumidos, somente varridos envergonhadamente para debaixo do tapete.

E depois há a questão do carácter. Bem sei que quem está no governo fica sob escrutínio dos media,  nem todos terão blindagem suficiente e podem vacilar sem demérito. Mas Crato deu provas seguidas e consistentes para merecer toda a desconfiança. A aura que tinha como académico desvaneceu-se, é afinal tão incapaz, enredado em manobras e artimanhas, presumido mesmo no erro, integrado nos sistema partidário de influências e amiguismos, como qualquer outro Relvas.

Não lhe perdoo, conseguiu fazer de mim parvo :(



7 comentários :

Enviar um comentário