sábado, 6 de dezembro de 2014

'Hora de Natal', visto em Coimbra


No velhinho mas bonito Astória (quem dera alguém o restaurasse!) há um quadro com serigrafia de Almada e este poema:


HORA DE NATAL

(...)
                 É a hora em que as pávidas
                 madrugadas se calam
                 em que as noites e as tardes
                 são manhãs definidas

                 É a hora em que as pátrias
                 já não têm limites
                 É a hora em que as grades
                 de ser grades desistem

                 É a hora em que as almas
                 entre si comunicam
                 É a hora que falta
                 no relógio da vida.


David Mourão Ferreira



Almada Negreiros, 1981


0 comentários :

Enviar um comentário