segunda-feira, 14 de maio de 2018

'Canção de Maio', por Goethe, Beethoven, Schreier e Mattila.


Maigesang (ou Mailied), a 'Canção de Maio', é um dos Goethe Lieder que Beethoven compôs em Praga.

As canções de Beethoven têm sido menorizadas e quase ignoradas desde a sua publicação. Maigesang foi uma das suas primeiras experiências no género voval solista; publicada em 1805 como Opus 52, tudo indica que tinha sido composta por volta de 1795.

Beethoven vai buscar o poema a Goethe, e compõe uma melodia simples onde faz respirar a beleza primaveril e o enlevo romântico através da textura saltitante e alegre do piano.

Peter Schreier, tenor


Wie herrlich leuchtet
Mir die Natur!
Wie glänzt die Sonne!
Wie lacht die Flur!
...
                                          Como luz esplendorosa
                                          sobre mim a Natureza !
                                          Como briha o Sol !
                                          Como riem os Campos !


A antítese outonal, em tom melancólico, é dada noutro lied, Wonne der Wehmut (abençoada tristeza) sobre o fim das ilusões amorosas... belíssimo na voz de

Karita Mattila, soprano



Trocknet nicht, trocknet nicht,
Tränen der ewigen Liebe!
Ach, nur dem halbgetrockneten Auge
Wie öde, wie tot die Welt ihm erscheint!
Trocknet nicht, trocknet nicht,
Tränen unglücklicher Liebe!
     
                    Não vos quero secas, não vos quero secas,
                    Lágrimas do Amor eterno!
                    Ah, só a Olhos meio enxutos
                    O Mundo parece tão desolado e morto !
                    Não vos quero secas, não vos quero secas,
                    Lágrimas de desgraçado Amor !



Fischer-Dieskau, Peter Schreier e Olaf Bär cantaram as melhores gravações disponíveis; talvez Bär seja o mais consistente e irrepreensível, com Geoffrey Parsons no piano, é o meu CD favorito:



No Youtube estão disponíveis outras versões:

Fischer-Dieskau, op.52, nº4 Mailied
Fischer-Dieskau, op.83, nº1 Wonne der Wehmut
Hermann Prey, op.83, nº1 Wonne der Wehmut



0 comentários :