sábado, 19 de dezembro de 2015

Kurt Masur (1927-2015), um grande que partiu aos 88


O maestro Kurt Masur era um especialista de Mendelssohn e Dvorak. Dirigiu a Filarmónica de Nova Iorque durante 11 anos, sempre com grande elegância - a marca que deixou: equilíbrio e precisão clássica, e uma imagem única. Ficou na memória o seu Requiem de Brahms em homenagem às vítimas do 11 de Setembro. Na Alemanha esteve à frente de outra grande orquestra - a Gewandhaus Leipzig.

Anne Sophie Mutter tocou e gravou muitas vezes com Masur, uma dupla formidável; aqui fica um dos pontos altos da carreira - o concerto para violino de Mendelssohn:


Outro momento único - A Novo Mundo de Dvorak, com a NYPO:




Este ano foi funesto para os grandes maestros da era clássica.


1 comentários :

Fanático_Um disse...

Excelentes exemplos. Obrigado Mário, por recordar mais um dos Grandes que partiu. A obra fica, embora sempre com um travo amargo, devo confessar.

Enviar um comentário