sábado, 19 de dezembro de 2009

Próxima viagem : Ghent e Bruges

Das mais ricas cidades da Europa na Idade Média, quando por cá vivíamos nas "trevas" por lá florescia o negócio hanseático no mar do Norte. Dessa época resistiram milhares de casas classificadas, fachadas medievais e renascentistas, ruas peatonais quase intactas, castelos, igrejas góticas magníficas, tudo entrecortado com canais de águas limpas e navegáveis.


Centro histórico sem trânsito automóvel , o que ajuda ao ar saudável que se respira e ao silêncio que deixa ouvir os sinos e os pássaros.

Neste enquadramento não falta a cultura da vida urbana; lojas de arte e artesanato, cafés e creperies, museus recheados de obras da Flandres, salas de concerto. Herreweghe e o seu Collegium Vocale, os "Embaixadores Culturais da Flandres", nasceram aqui. Ghent é uma cidade universitária desde 1817, e o ambiente estudantil contribui imenso para a sua vitalidade.

Voltar a Ghent e a Bruges é como voltar a casa: reencontrar um habitat urbano acolhedor, uma matriz cujo reconhecimento causa um particularmente doce agrado, ao contrário da acidez vulgar e hostil do país em que vivo.

4 comentários :

Gi disse...

Passei por Ghent e Bruges muito a correr, em dias de chuva. Espero lá voltar com melhor tempo.
Divirta-se. É sempre bom ir para lá dos Pirinéus.

Mário disse...

Parece que não vou ter mais sorte que a Gi, com o tempo que lá faz.

Mais que divertir-me, quero mudar de ares! Por cá cheira muito a bafio.

Rosário Queirós disse...

Já estive em Bruges. Podes crer que é bonito. Também gostava de lá voltar.
Boas mini-férias

Mário disse...

Obrigado :)

Põe-te boa e começa bem 2010!