sexta-feira, 16 de março de 2012

Le rêve, de Matisse - felicidade nunca vista

Um novo Matisse, «Le Rêve», 1940, colecção privada:

Jogo de geometrias, capacidade de evocação pela forma e pela cor

Como uma laranja, a obra de Henri Matisse é um fruto transbordante de luz.
Guillaume Apollinaire

Matisse conforta e sossega. O pintor da justa medida, da luz, da claridade e da aceitação, sem sombras de tragédia ou excessos, sem concessão ao mistério. Uma vida feliz.

Insensível às vanguardas que se agitam à sua volta, Matisse não adere a nenhuma. Nem ao fauvisme violento de Vlaminck, nem ao cubismo de Braque e de Picasso, nem ao futurisme e onirismo de Chirico...

Parece que Matisse, à porta de um mundo mais sonhador ou agitado, recusa entrar. A felicidade será o seu verdadeiro tema: janelas abertas sobre uma doce claridade, odaliscas, pombas brancas esvoaçando entre plantas verdes, estatuetas polinésias, cerâmica japonesa.

"Intérieur au rideau égyptien": a felicidade segundo Matisse.

En 1930, Matisse iria surpreender com um novo método e uma nova linguagem: em vez de pintar, usava folhas de papel colorido e, com tesoura, cortava nelas a seu grado formas prodigiosas que depois colava. Método que atingiu o melhor nos famosos Nus Azuis de 1952:


Nu Bleu

Enquanto a pintura engagée só oferece mensagens sinistras, Matisse ainda nos emociona e comove. É uma festa em período de crise.

Próxima do «Rêve», «A blusa Romena», 1940: um artista à procura de uma linguagem própria.

«Matisse, paires et séries», Centre Pompidou, de 7 de Março a 18 de Junho

Fontes:

Le Figaro aqui e aqui
Centre Pompidou

5 comentários :

Enviar um comentário