sábado, 30 de janeiro de 2010

266 dias de férias solares

O Sol está a sair lentamente de uma longa letargia como não se via desde 1913. Será esta a causa de um clima mais frio e perturbado?

Enquanto a Europa treme de frio, astrónomos, climatólogos e geofisicos calculam e recalculam: durante os últimos dois anos, o Sol esteve inquietantemente calmo. Os especialistas procuram saber porquê tanto tempo de inactividade e quais as consequências na Terra.

Estes períodos de inactividade costumam seguir um ciclo bem conhecido, em média de 11 em 11 anos. “O Sol parece em hibernação, depois as erupções regressam e projectam de novo grande quantidade de matéria no espaço », explica Jean-Loup Bertaux. Mas desta vez, durante 266 dias, nada – a nossa estrela apresentou mesmo zero manchas negras, ausência de erupções, coisa nunca vista desde o início do séc. XX ! Alguns cientistas alarmaram-se : e se já não voltasse mais à intensidade habitual ?

Os climatólogos constataram um abrandamento do aquecimento climático, em particular com o agravamento das condições invernais, como é o caso actualmente na Europa, há pouco na China, e no ano passado na América du Sul.

A ideia de que a Terra poderia entrar num curto período glaciar vai fazendo caminho. «O Sol teve um mínimo prolongado de actividade entre 1911 et 1913, explica Guillaume Aulanier, astrónomo do Lesia. Mais para trás no tempo, aconteceu no reinado de Louis XIV, durante quase sessenta anos, na conhecida "pequena idade do gelo" (LIA - Little Ice Age). Esteve um frio extremo na Europa e América do Norte».

Algumas manchas mais importantes e mais regulares começam a surgir agora à superfície do Sol, com “pequenas” erupções. Parece que o Sol esta a regressar de férias.


O Sol em forte actividade à esquerda, em Julho de 2002. À direita, uma imagem do passado 11 de Janeiro: apenas algumas manchas sombrias.

(NASA/ESA)

4 comentários :

Fernando Vasconcelos disse...

Há que descansar de vez em quando :-)Mas este post intrigou-me. está realmente provada e explicada a relação entre as manchas negras e as erupções e uma maior actividade e sobretudo a correlação desta com a temperatura na terra?

Mário disse...

Caro Fernando,

Não, provado não está, e isso é que andam equipas por toda a parte a investigar.

O que se conhece é a "coincidência" entre períodos frios e baixa actividade solar. Falta demonstrar qual o processo físico (se existe) por trás da correlação.

Por outro lado, parece tornar-se evidente que há factores bem mais pesados no clima do que o factor desenvolvimento industrial (que não se pode descuidar, claro).

Abraço

Ava disse...

Caro Senhor,

O seu post deixou-me com algumas interrogações. Em especial uma de que me lembrei de ver um programa televisivo do canal odisseia, e que é a seguinte?
Será que a ausência de actividade do sol, poderá querer "indicar" que o mesmo se preparar para uma actividade mais intensa aonde poderá lançar para o espaço uma enorme quantidade de energia magnética para uma data próxima?

Atenciosamente, Ava.

Mário disse...

Ava,

Sobre a actividade solar, não há certezas... se o ciclo solar de baixa actividade está no seu fim, como há indícios, é natural que proximamente haja momentos de forte actividade, com as habituais erupções gigantescas, emitindo jactos de matéria e radiações. Se isso estiver relacionado com um aquecimento climático, como alguns acreditam, podemos vir a ter vagas de calor. Infelizmente, como nos terramotos, ainda não há leis científicas que permitam prever o futuro...