sábado, 13 de março de 2010

Obras pouco ouvidas:
Quarteto com piano de Mahler

Que me lembre, nunca vi esta peça programada em concerto. Não sei porque é tão rara em Portugal.

É uma obra da juventude de Mahler, que teria apenas 16 anos (1876), o que mostra até que ponto começou cedo a sua capacidade de escrita musical. Ainda não é Mahler "vintage"; notam-se múltiplas influências (Brahms, Schumann), a parte de piano é muito elementar (acordes e arpeggios)...é uma promissora peça de estudante. contudo, os temas estão bem desenvolvidos, e há uma interessante cadenza no violino.

Como só há um andamento, costuma ser referida como "Andamento do Quarteto com piano em La m".Quarto Quartet, Quarteto com piano de Mahler (andamento)



Deste Quarteto há ainda um curto embrião de "Scherzo" (24 compassos), mais vivo e vanguardista, que lembra Schnittke ou Schoenberg.

7 comentários :

Paulo disse...

Não conhecia, Mário. E se o ouvisse sem saber o que era, nunca me lembraria de Mahler.

Mário disse...

Nem eu. Habituamo-nos a só conhecer as sinfonias e os lieder,sem estranhar que antes disso não tenha havido outra coisa. De certo modo, roubamos a juventude a Mahler....

LFGallego disse...

Só fui saber da existência dessa composição na trilha do novo filme de Martin Scorsese "A Ilha do Medo" (título brasileiro). Aliás, o filme só serviu para isso: é o mais fraco do grande diretor tal como o livro que lhe deu origem do memso autor de "Mystic River". Mas o quarteto de Mahler, mesmo que obra de juventude é muito interessante.

Mário disse...

LFGallego,

Não sabia que o Quarteto tinha sido usado como banda sonora de um filme. É pena que seja um filme fraco, como diz.

Concordo consigo que esta miniatura de Mahler é uma obra interessante; fiquei surpreendido, quando a conheci, e agradou-me tanto que não entendo como não é tocada mais frequentemente em concertos.

LFGallego disse...

Na verdade, Mário, a música é diegètica,ou seja, na ação do filme há uma cena com uma vitrola (pick-up)ligada com um LP rodando e alguém pergunta se é um quarteto de Brahms para piano e cordas e outro responde que é de Mahler, o que me causou estranheza se era uma informação correta. Era: confirmei neste site encontrado através do Google. Muita coincidência pois o filme estreou há menos de 1 semana no Rio de Janeiro! O filme se passa em 1954 e pelo que descobri, a composição só foi descoberta em 1957, portanto há um equívoco histórico. Mas valeu conhecer a música!

Leandro disse...

Assim como LFGallego conheci a música na trilha do filme, que diferente dele, achei interessante. Talvez por ser estudante de psicologia, psicologicamente falando, o filme agrada.

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

mario, acabei caindo por aqui em virtude de minha curiosidade sobre essa pequena peça do grande sinfonista...nem sabia; estarei visitando teu blog com calma...grande abraço e thanks pelo post